Publicado 22 de Julho de 2016 - 18h28

Por Lauro Sampaio

Mães e filhas que vieram de Goiania para Campinas e foram abandonadas por motorista

Edu Fortes/AAN

Mães e filhas que vieram de Goiania para Campinas e foram abandonadas por motorista

Um motorista de uma empresa de fretamento turístico de Goiânia "abandonou" 33 passageiros da cidade em Campinas na madrugada desta sexta-feira, 22, depois de alegar calote no pagamento das passagens. O abandono teria sido uma ordem do gerente da empresa.

As 33 pessoas são todas moradoras de Goiânia e vieram para a cidade participar de um evento no Parque D. Pedro Shopping, voltado para modelos mirins e adolescentes de 6 a 16 anos de idade, que termina neste sábado (23). Os passageiros registraram um boletim de ocorrência no plantão da Segunda Delegacia Seccional de Polícia, tipificado como "exercício arbitrário das próprias razões".

Uma das representantes do grupo, a enfermeira Renata Cardoso Vieira, de 33 anos, disse que na quinta-feira (21) à noite o motorista, identificado como Márcio Marques, alegou que o grupo devia ainda R$ 3 mil de um total de R$ 9 mil cobrados pela viagem de ida e volta e que, após ser informado que não haveria quitação naquele dia, simplesmente foi embora. "Ele nem avisou que iria sair. Quando ligamos para ele, o ônibus já estava bem longe de Campinas", contou Renata.

A enfermeira disse ao Correio, nesta sexta, que as mãe e as crianças estão desesperadas em Campinas e que todos continuam hospedados com 16 menores num hotel da Rua Fernando Pompeu de Camargo, no Jardim do Trevo. "Só estamos aqui, contando apenas com o café da manhã, porque a hospedagem já foi incluída no valor da passagem de R$ 408,00 por pessoa", revelou.

Para irem embora após o encerramento do evento no shopping campineiro, Renata afirmou que seus colegas estão pedindo ajuda de parentes para poderem embarcar num ônibus comum da linha Goiânia-Campinas. Ela concluiu que o grupo está com pouco dinheiro e que está tendo que economizar em alimentos para poder voltar para a capital goiana.

A jornalista Nelsimar David Moraes, da Rádio Brasil Central AM de Goiânia, que organizou a viagem, disse que o problema aconteceu porque, dos 39 passageiros que haviam contratado a excursão, só vieram 32 e a empresa está cobrando as passagens dos faltosos. "A empresa pediu R$ 3 mil e eu não tinha esse dinheiro, pedi um tempo e eles não me deram, resolveram abandonar a gente aqui. Agora vou discutir o caso na Justiça e estudar uma ação por danos morais".

Nelsimar disse ainda que está tendo que explicar o caso para várias mães que ficaram em Campinas. O motorista da empresa deixou a cidade com destino a Goiânia levando mais de 60% do dinheiro das passagens, o que seria irregular. "Já comuniquei o fato ao Procon".

Outro lado

O gerente da empresa Rotattur, Pedro Silva, disse ao Correio que a medida drástica - de deixar todos os passageiros em Campinas - foi tomada porque houve calote no pagamento e o descumprimento do contrato. Silva informou que o prazo concedido para o pagamento não foi cumprido e, assim, ele determinou que o motorista voltasse para Goiânia. "A organizadora não cumpriu os prazos, fez várias promessas e recebeu as passagens com antecedência". acusou. Ele disse ter considerado extrema a medida de deixar o grupo aqui na cidade, mas que pretende discutir o caso na Justiça. "Não vou mandar nenhum ônibus meu buscá-los".

Escrito por:

Lauro Sampaio