Publicado 21 de Julho de 2016 - 22h06

Por Agência Anhanguera de Notícias

A garota Grazielly Almeida Lames, de 3 anos, moradora de Artur Nogueira, morreu atropelada por uma moto aquática pilotada por um menino de 13 anos, em fevereiro de 2012, na praia de Guaratuba, em Bertioga

Reprodução

A garota Grazielly Almeida Lames, de 3 anos, moradora de Artur Nogueira, morreu atropelada por uma moto aquática pilotada por um menino de 13 anos, em fevereiro de 2012, na praia de Guaratuba, em Bertioga

O advogado José Beraldo pediu o aumento na pena do empresário José Augusto Cardoso Filho, dono da moto aquática que atropelou e matou Grazielly Almeida Lames, de 3 anos, no dia 18 de fevereiro de 2012, em Bertioga.

A garota era moradora de Artur Nogueira. O empresário foi condenado a prestar serviços à comunidade por 2 anos e 4 meses. Beraldo quer que a pena seja ampliada para 4 anos. “É muito pouco 2 anos. Ele cometeu um crime. Além disso, parte da pena deve ser em regime fechado”, disse.

A moto aquática pertence ao empresário, mas quem usava o equipamento no dia do acidente era um adolescente de 13 anos, afilhado de Cardoso Filho, que teve como sentença medida socioeducativa de liberdade assistida.

Escrito por:

Agência Anhanguera de Notícias