Publicado 08 de Julho de 2016 - 23h32

Por Agência Anhanguera de Notícias

Defesa vai recorrer contra a decisão

Reprodução Facebook

Defesa vai recorrer contra a decisão

A modelo Vanessa Alcântara, 30 anos, presa acusada de agressão e desacato contra uma escrivã de polícia e de ter suprimido documentos públicos dentro de uma delegacia em Valinhos, foi condenada a 4 anos de prisão no regime semiaberto. A sentença foi divulgada nesta sexta-feira, mas a decisão rolou na última quinta-feira. O veredito, em primeira instância, foi da juíza Daniella Aparecida Soriano Uccelli da comarca da cidade. A defesa da modelo vai recorrer ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), em São Paulo.

O advogado da modelo, Evandro Campoi, afirmou que a decisão é exacerbada, já que ela é acusada de cometer crimes de detenção e não de reclusão. “Entendemos que a decisão é injusta. A Vanessa não merece ficar encarcerada. Além disso, se houvesse condenação, entendo que deveria ser em regime aberto, apresentando-se regularmente à Justiça”, afirmou. Além disso, Campoi enfatiza que a pena está acima da média e que Vanessa teve negado o direito de recorrer em liberdade. "Por isso vamos impetrar dois habeas corpus, sendo um para garantir esse direito e voltar para casa o mais rápido possível e outro para a fundamentação da sentença, já que entendemos que a prisão é arbitrária e ilegal", explicou.

Está engaiolada em Mogi Guaçu

Em custódia na Penitenciária Feminina de Mogi Guaçu, o destino de Vanessa ainda é incerto, já que ela pode permanecer na unidade — que também funciona como semiaberto — ou ser transferida para outra prisão.

Vanessa está detida desde abril e afirmou nessa semana que começou a escrever um livro onde conta o dia a dia das mulheres presidiárias, reflexões sobre sua vida e descreve também momentos ao lado do ex-marido Luis Alexandre Magalhães, quem ela denunciou como um dos supostos componentes da máfia do Imposto Sobre Serviço (ISS) de São Paulo, em 2013.

Escrito por:

Agência Anhanguera de Notícias