Publicado 15 de Novembro de 2015 - 17h36

Por Alenita Ramirez

Wanderley Rodrigues Júnior foi preso quando furtava peças em bronze no cemitério de Santa Bárbara D'Oeste

Divulgação

Wanderley Rodrigues Júnior foi preso quando furtava peças em bronze no cemitério de Santa Bárbara D'Oeste

Um professor de 43 anos foi preso em flagrante nesta sexta-feira (13) à noite quando furtava peças em bronze do Cemitério Campo da Ressurreição, conhecido como Central, no Jardim Cavaleiro, em Santa Bárbara D´Oeste. Wanderley Rodrigues Júnior estava com um comparsa que pulou no Ribeirão dos Toledos e fugiu. Dentro de uma caçamba coletora de lixo foram achados quatro imagens de santos e 19 vasos de túmulos do cemitério.

Nesta semana, dois homens foram presos em Americana, também quando furtavam uma estátua de santo do Cemitério da Saudade. A polícia acredita que haja uma quadrilha especialista neste tipo de furto, já que os suspeitos andam bem-vestidos.

A Guarda Municipal (GM) encontrou a dupla após receber denúncias de que dois homens estavam furtando peças em bronze do cemitério. Quando a viatura chegou ao local, avistou Rodrigues e o comparsa empurrando a caçamba pela Avenida dos Bandeirantes. Eles correram para uma mata e deixaram o carrinho na rua. Na fuga, o comparsa do professor pulou no córrego e conseguiu fugir. As peças foram apreendidas e serão devolvidas para a administração do cemitério, que identificará as vítimas. Entre as imagens, havia uma estátua de santo com mais de um metro de altura e pesando mais de 100 quilos.

Saudade

Na última quarta-feira (11), a Guarda Municipal de Americana (Gama) prendeu um supervisor de vendas e compras, de 39 anos, acusado quando furtava uma imagem de Jesus Cristo de 1,60 metros e pesando 300 quilos, do Cemitério da Saudade. O suspeito estava com um comparsa que conseguiu fugir. Cerca de 3h depois, a Gama recebeu nova denúncia de que havia cinco homens no cemitério, mas ninguém foi preso. O bando já tinha separado dezenas de peças, com imagens avaliadas em até R$ 15 mil.

Escrito por:

Alenita Ramirez