Publicado 15 de Novembro de 2015 - 11h07

Por Adagoberto F. Baptista

Fotos: Câmara de Sumaré

Gustavo Abdel

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

Morreu na tarde de sábado o ex-prefeito de Sumaré, José de Nadai, aos 89 anos. O corpo do político foi velado ontem no plenário da Câmara Municipal, e recebeu as últimas homenagens de familiares, amigos e autoridades políticas da região. O ex-prefeito esteve à frente do Poder Executivo por dois mandatos, entre 1983 e 1988 e entre 1993 e 1996. O enterro aconteceu por volta das 17h no Cemitério da Saudade. José deixou a esposa Ana Marli Fávero, de 77 anos, dois filhos e quatro netos.

O político sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) há seis meses e desde então estava em casa muito debilitado. Segundo a neta de Nadai, Luciara Irene de Nadai Dias, seu avô voltou para casa muito debilitado e há cerca de um mês voltou ao hospital devido a uma gangrena em membro inferior esquerdo. Ele estava internado no Centro Médico de Campinas, e no sábado à tarde sofreu uma parada cardiorrespiratória e faleceu, por volta das 14h.

“Um homem carinhoso, muito educado e que sempre dava conselhos”, lembrou Luciara. “Sair com ele na rua era uma loucura. Todos o paravam para conversar e ele muito simpático conversava com cada um”, completou. José de Nadai nasceu em 30 de julho de 1926, na cidade de Sumaré. Foi vereador na Câmara Municipal de 1970 a 1972 pelo partido Arena. Depois foi prefeito de Sumaré nos anos de 1983 a 1988 e depois de 1993 a 1996 pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB) que depois se tornou o PMDB. O político tem parentesco com o ex-prefeito de Americana, Diego De Nadai.

Em nota, a prefeita de Sumaré Cristina Carrara (PSDB) lamentou profundamente o falecimento e decretou luto oficial de três dias, período durante o qual as bandeiras dos mastros de todos os prédios oficiais municipais deverão permanecer hasteadas a meio mastro.

José de Nadai se destacou por importantes obras realizadas em Sumaré durante os seus mandatos. Dentre elas estão a Represa do Hortoflorestal, o velório e necrotério municipais, as duplicações das avenidas da Saudade e Amizade, o viaduto Virgílio Basso que passa sobre a Rodovia Anhanguera (SP-330), Maternidade de Sumaré, e por ter asfaltado mais de um milhão de metros quadrados na região central de Sumaré.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista