Publicado 13 de Novembro de 2015 - 18h12

Por Paulo César Dutra Santana

Paulo Santana

Da Agência Anhanguera

[email protected]

A parceria da Ponte Preta com o Votuporanguense saiu do papel e já entrou em campo. O zagueiro Junior Goiano, que defendeu o Rio Branco-PR, e o volante Victor Xavier, que veio do Mogi Mirim e chegou a ganhar algumas oportunidades com o técnico Guto Ferreira, serão os primeiros reforços do CAV para a disputa da Série A2 de 2016.

Ao todo, a Ponte vai ceder de seis a oito atletas que não estão sendo aproveitados em seu elenco principal. “Estamos avaliando com calma, mas já sabemos que a Ponte tem jogadores de qualidade. Certamente, poderão nos ajudar bastante nesta caminhada”, garante o técnico Marcelo Dias, de 38 anos, que começou jogando na base da Ponte em 1992 e ficou no Majestoso até 1999.

Além de atletas profissionais, a Macaca poderá ceder juniores que estão próximos de “estourar” a idade e ainda não estão prontos para assumir um lugar entre os profissinais. “Muitas vezes, um jogador do sub20 não tem espaço no time principal. Assim, nosso principal objetivo é possibilitar uma chance de maturação para estes atletas”, ressaltou o presidente Vanderlei Pereira, ao comentar a parceria que foi assinada em setembro.

O acordo tem validade de um ano e poderá ser renovado. “Depois do Paulista, poderemos receber mais jogadores para a Copa Paulista, já que não haverá mais a limitação de 28 inscritos. É uma párceria que começou muito bem e tem tudo para dar certo”, ressalta Dias.

Junior Goiano, de 23 anos, começou no União Barbarense, passou pelo Santa Rita-AL, Inter de Limeira e Rio Branco-PR. Chegou ao Majestoso em agosto para um período de avaliação e foi aprovado. Mas, como o elenco já conta com outros defensores, não chegou a ganhar nenhuma oportunidade no Brasileiro.

Victor Xavier fez sete jogos pela Macaca neste ano. Cinco pela Copa do Brasil e dois pelo Brasileirão. Como terá que se apresentar dia 1º ao novo clube para a pré-temporada, entrou de férias em novembro. “Teremos um bom tempo para a preparação e nosso grupo é forte. Já temos uma base e, com a chegada dos reforços da Ponte, acho que poderemos fazer uma grande competição”, diz Marcelo Dias.

Caçula da A2, o CAV medirá forças com times de tradição como Guarani, Bragantino, Portuguesa, Santo André e São Caetano, entre outros. Assim como na A1, seis times serão rebaixados para a A3 e apenas dois subirão para a elite estadual. “Nossa cota é uma das menores (R$ 400 mil) e nosso orçamento também não é alto, se compararmos com os concorrentes. Mesmo assim, acredito numa boa campanha”, destaca o treinador, que está passando por um período de estágio no Majestoso.

Escrito por:

Paulo César Dutra Santana