Publicado 12 de Novembro de 2015 - 19h04

Por Shana Maria Maciel Pereira

Fotos Dominique

Vídeo portal

Shana Pereira

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

Um resgate inusitado realizado anteontem no posto de atendimento da concessonária Rota das Bandeiras, no km 139 da rodovia D. Pedro I, emocionou os socorrista da empresa que adminstra o corredor. Os enfermeiros Gustavo Giovanni Rizzo, de 29 anos e Henrique Augusto Bueno de Carvalho, 30, fizeram pela primeira vez um parto dentro de um carro. Embora não tivessem passado por uma situação semelhante, estavam preparados para realizar o pocedimento. Depois de ver que tudo tinha ocorrido bem, veio a grande surpresa daquele dia. Ao perguntarem pelo nome da criança, a mãe disse que iria se chamar Gustavo Henrique, mesmo sem saber o nome de ambos dos socorristas.

Na noite de quarta-feira a mãe Cristiane Silva, de 19 anos, estava em sua casa no bairro São Marcos quando começou a sentir as dores do parto. Precisou da ajuda dos familiares para ser socorrida até o hospital, mas no meio do caminho a bolsa estourou e ela percebeu que não daria tempo de chegar ao destino. Mesmo no momento de desespero, seu pai teve a ideia de parar no posto de atendimento da concessionária para realizarem o parto, pois sabiam que teriam ajuda de pessoas capacitadas para o procedimento.

Quando estacionaram o veículo, a mãe da jovem saiu do carro chamando por socorro, e os dois enfermeiros efetuaram o parto ali mesmo. “Só deu tempo de colocar as luvas”, disse Henrique. Após, realizarem todos os procedimentos necessários e colocar o bebê nos braços de Cristiane, os socorristas ficaram surpreendidos com a coincidência de terem o mesmo nome que o menino. Porém a mãe garantiu que a partir do momento em que soube que era menino, decidiu pelo nome de Gustavo Henrique. “O mais importante é que o neném nasceu com saúde. Com a graça de Deus não tivemos complicações no parto”, lembra Gustavo.

Trabalhando juntos há seis anos e acostumados com situações complicadas, acidentes e ocorrências onde muitas vidas são perdidas, esse dia foi somente de alegrias. “A maioria dos resgates que fazemos é sempre tragédia. Espero poder colocar mais vidas no mundo”, emociona-se Henrique. O reencontro dos enfermeiros com o rescém-nascido aconteceu ontem no Centro de Atenção a Saúde da Mulher (Caism) da Unicamp. “Fiquei muito assustada no momento, mas quando vi o rostinho do meu filho, a angústia foi embora”, conta a mãe. Mesmo nascido com dez dias de antecedência Gustavo Henrique pesa 3,150 kg e passa bem. Mãe e filho deverão ter alta no começo da próxima semana.

Escrito por:

Shana Maria Maciel Pereira