Publicado 12 de Novembro de 2015 - 13h39

Por Alenita de Jesus

Alenita Ramirez

[email protected]

Foto: Reprodução/Alenita Ramirez

Um homem expertão fingiu negociar uma troca e furtou dois cavalos, uma égua e um potro de um comerciante de 35 anos, em Campinas. O caso ocorreu no final do mês de setembro, mas só foi registrado ontem. Segundo a vítima, após levar os animais o suspeito os vendeu e sumiu para o estado da Bahia com o dinheiro.

De acordo com a polícia, o comerciante é dono de um restaurante, onde conheceu o suspeito, que é empreiteiro de obras. Como a vítima é simples acabou revelando ao cliente que amava a roça e tinha alguns cavalos no sítio de um irmão. A vítima chegou a revelar o endereço do sítio.

O homem continuou indo no bar até que um dia propôs trocar sua Saveiro pelos quatro animais. O comerciante contou que gostou da proposta, mas disse precisaria estudá-la melhor. “Como eu andava sem tempo para cuidar dos animais até que me interessei no carro, mas não tinha o lado sentimental e não fechei o negócio”, contou.

Cerca de 10 dias depois da conversa, o empreiteiro foi até o sítio, se apresentou como amigo do comerciante para a cunhada da vítima e disse que tinha trocado a caminhonete pelos animais. “Como ele falou meu nome completo e disse que eu tinha fechado o negócio, minha cunhada o deixou levar os cavalos”, falou.

Quando descobriu que o expertão tinha levado os animais, o comerciante chegou a procurar o suspeito para pegar de volta, mas o homem disse que já os tinha vendido porque passava por dificuldades financeiras, mas que iria entregar a Saveiro. “Fiquei chateado. Os cavalos não eram caros, mas tinha valor sentimental. Eles tinham entre um ano e nove meses a 10 anos e um deles, inclusive, era sempre montado pelo pai”, frisou.

O comerciante, que é do interior de Minas Gerais, e sempre morou em sítios, só descobriu que o empreiteiro tinha sumido da região na semana passada, quando o foi procurar.

O caso foi registrado como furto e será aberto inquérito para investigação.

Escrito por:

Alenita de Jesus