Publicado 11 de Novembro de 2015 - 16h29

Por Adagoberto F. Baptista

Número: 90 mil moradores na região do Campo Belo

Fotos: Janaína Ribeiro

Gustavo Abdel

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

O presidente dos Correios, Wagner Pinheiro de Oliveira, assumiu o compromisso de agilizar a entrega de correspondência na região do Campo Belo, uma das mais populosas de Campinas. Oliveira destacou a diretoria regional para fazer o mapeamento daquela região. No entanto, não há prazo para que todas as ruas tenham CEP e assim as correspondências sejam feitas de casa em casa. A região possui mais de 90 mil moradores, e há mais de 30 anos essa tem sido uma das principais dificuldades dos moradores.

O presidente da empresa brasileira esteve com o deputado federal Luiz Lauro Filho (PSB) e com o vereador Carmo da Farmácia (PSC) na última terça-feira. De acordo com o deputado federal, Wagner de Oliveira informou que a direção regional de Brasília, através do diretor Antônio Tomás, vai colocar entre as questões prioritárias a normalização do sistema de entregas naquela região. Para isso, os Correios deverá usar os CEPs das ruas já utilizados pela Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A (Sanasa). “A diretoria dos Correios da região de Campinas já se reuniu com a Sanasa para que haja a disponibilização do mapa utilizado na entrega de contas de água para a empresa brasileira. Com esses CEPs, as residências passarão a existir para os Correios”, informou Luis Lauro.

Moradores reclamam que alguns bairros daquela região ainda não são atendidos. Os Correios, no entanto, informaram recentemente que desde o início de 2014 faz regularmente a entrega de correspondências (mensagens, cartas, faturas, contas, boletos) em quatro bairros (Cidade Singer II, Dom Gilberto, Campo Belo II e Puccamp) do Campo Belo. A dona de casa Cleuceni Aparecida Santana, de 40 anos, disse que não há regularidade na entrega de correspondências. “A partir do ano passado eu comecei a receber, mas não tem muita regularidade. E quando atrasa preciso ir até a agência dos Correios no Centro”, disse Cleuceni.

“Eu transferi minhas correspondências para esse endereço, para garantir que todas cheguem sem atraso”. Essa foi a maneira que o aposentado Manoel Aldenor Juliano, de 69 anos, encontrou para que suas cartas tenham garantia de chegada. Ele forneceu o endereço do estabelecimento comercial que fica na margem da Rodovia Miguel Melhado Campos (SP-324), ao invés da sua rua, no Jardim Santa Maria 2. “Vai ser muito bom a chegada das nossas contas regularmente. Torço para que coloquem rápido esse serviço”, espera Juliano.

Conforme já revelado pelo Correio, alguns estabelecimentos comerciais - como a própria farmácia do vereador Carmo - serviram e ainda servem para que moradores retirem suas correspondências, justamente pela dificuldade que enfrentam com a falta de regularidade no recebimento. Taxas são cobradas dos moradores para que os estabelecimentos designem funcionários para separar e organizar esse material.

Na reunião com o presidente dos Correios também foi colocada a necessidade de uma agência naquela região, em função da quantidade de moradores. “Primeiro é necessário mapear e começar a entrega, para depois a instalação da agência”, explicou o deputado. “Já são 40 anos aguardando pela regularização. Uma região ao lado do maior terminal de cargas de importação da América Latina que é Viracopos e temos essa deficiência em entrega de correspondências. Esperamos que em breve a entrega esteja regularizada”, disse o vereador Carmo da Farmácia.

Os Correios já haviam informado que em relação às encomendas (pacotes que precisam ser entregues com moto ou carro), a entrega é diferenciada na região do Campo Belo “por se tratar de uma área de risco”. “Por questões de segurança devido ao elevado índice de violência nesta região, a entrega de encomendas é feita com medidas que vão desde prazos diferenciados até entrega interna (neste caso, o destinatário recebe um aviso de chegada com informações para retirada do objeto postal, endereço da unidade dos Correios e o horário em que deve retirar a encomenda)”, informaram os Correios, em julho desse ano.

A Sanasa explicou que incluiu na segunda quinzena de outubro o número do CEP no endereço do consumidor na fatura simultânea, que é entregue no momento em que é feita a leitura do consumo de água no hidrômetro. Até então, a fatura da Sanasa não era aceita como comprovante de residência, agora o cliente já pode apresentar para comprovar o seu endereço. O sistema simultâneo corresponde a 80% das faturas entregues pela Sanasa em Campinas.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista