Publicado 09 de Novembro de 2015 - 18h12

Por Sheila Roseli Vieira Leite

Estudantes de medicina, pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e a área de pesquisa em várias frentes do conhecimento médico serão beneficiados a partir de hoje com um convênio institucional firmado entre a Faculdade São Leopoldo Mandic e a Fundação Dr. João Penido Burnier. Braço do Instituto Penido Burnier voltado à pesquisa, formação de profissionais e atendimento oftalmológico com 2 mil pacientes da rede pública por mês, agora a fundação passará a administrar o hospital do Penido Burnier como hospital-escola na área de oftalmologia da São Leopoldo Mandic, instituição de ensino atualmente conveniada a onze hospitais na região e que juntos oferecem 1.650 leitos à população. Dos 480 matriculados em medicina na faculdade, 120 poderão atuar no hospital assim que o sinal verde for dado pela Comissão de Residência (Coreme). O investimento nas adequações necessárias para operacionalizar o convênio ainda não foi calculado. Além de fortalecer o número de residentes no hospital, a iniciativa também irá gerar grande impacto no volume e na qualidade das pesquisas médicas. Os documentos foram assinados ontem nas dependências da instituição de ensino por Elvira Barbosa Abreu, presidente da fundação, e Jussara Moreira Passos Cintra Junqueira, presidente da faculdade.

A união das instituições é um passo importante para o compartilhamento de conhecimento e desenvolvimento de pesquisa, aponta o oftalmologista Leôncio de Souza Queiroz Neto, presidente do Instituto Penido Burnier. A Fundação mantém convênio, ainda, com a canadense McGill University, segunda mais antiga e conceituada universidade do continente, e que agora passará a desenvolver estudos com a São Leopoldo. Responsável pela Fundação, Elvira, titular e coordenadora da especialidade no curso, acredita que a parceria é incentivadora e vários alunos terão a oportunidade de aprofundar o conhecimento na oftalmologia, especialidade que vem despertando interesse entre os graduandos. Queiroz Neto, complementa, que o olho é o “ambiente” biológico ideal e que exige técnicas avançadas para tratamentos não invasivos, desafio que impulsionou grandes descobertas para a medicina. “O laser em cirurgias começou na oftalmologia, assim como a laparoscopia e ideias para o uso da robótica na medicina”, lista o presidente do Instituto Penido Burnier.

O Penido Burnier também é referência em otorrinolaringologia, outra área com projeto de convênio em andamento entre a faculdade e a Fundação Afonso Ferreira. A influência dos dentes na sinusite está entre as cinco pesquisas da São Leopoldo realizadas este ano. Junqueira defende a integração entre as especialidades e a medicina como o futuro dos tratamentos. Segundo o diretor-geral da São Leopoldo Mandic, José Luiz Cintra Junqueira, a iniciativa atende aos ensejos e desejos das filosofias das duas instituições, sobretudo, quanto à qualidade de atendimento aos pacientes do SUS, e conteúdo para os cursos de graduação e pós-graduação dentro das especialidades. “Já estamos preparados para atender às novas regulamentações para residência médica exigidas pelo Ministério da Educação. Hoje o ensino médico na graduação e pós é voltado ao SUS, uma das recomendações das novas normas”, reforça Junqueira.

Atualmente os médicos residentes do Penido Burnier já atuam conforme as normas do Ministério, complementa Queiroz Neto. Desde sua criação, há 50 anos, a fundação, que tem curso de especialização em oftalmologia credenciado pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia, formou mais de 200 profissionais. A média é de quatro oftalmologistas residentes por ano.

De acordo com Junqueira, poder acompanhar a evolução na área médica, garantindo que ao ingressar no mercado de trabalho o profissional da saúde estará familiarizado com as inovações, é uma das razões para os convênios entre a São Leopoldo e os grandes centros acadêmicos. E lá a faculdade a investir em infraestrutura de ponta, por exemplo, o laboratório de patologia que nos últimos seis anos emitiu 16 mil laudos de biópsias de tecidos da região da cabeça e pescoço.

Escrito por:

Sheila Roseli Vieira Leite