Publicado 15 de Novembro de 2015 - 16h33

Depois de cinco horas de manifestação em frente ao Congresso Nacional, as cerca de 2 mil pessoas que participam do protesto contra Dilma Ropusseff dispersaram em razão da forte chuva que caia em Brasília por volta das 14h30. Somente um pequeno grupo permaneceu dentro do espelho d'água em frente ao Congresso Nacional. Apesar da dispersão, o cordão de isolamento da polícia militar continuava no local.

Lideranças do movimento afirmaram, na manhã deste domingo, 15, que diversos ônibus teriam sido barrados por manifestantes pró-governo impedindo a chegada até a Esplanada dos Ministérios. A Polícia Militar, no entanto, afirmou que não registrou durante todo o tempo nenhum tipo de bloqueio nas rodovias de acesso de Brasília.

Durante todo o período, a manifestação ocorreu pacificamente até que alguns manifestantes tentaram entrar no Congresso Nacional. A Polícia fez duas prisões e chegou a usar gás de pimenta para controlar a situação. Não houve nenhum outro registro de incidentes.

O ato foi organizado por movimentos contrários ao governo da presidenta Dilma Rousseff, como Brasil Livre, Avança Brasil e Revoltados Online. Pessoas de outros Estados chegaram, de ônibus, para participar do movimento, que começou logo cedo neste domingo e pede o impeachment da presidenta e a intervenção militar.

O integrante do Movimento Vem Pra Rua, Julio Lins, 18 anos, está acampado no gramado do Congresso há cerca de um mês. Julio conta que o Vem pra Rua não organizou o ato deste domingo, mas concorda com algumas reivindicações.

Um carro de som foi utilizado por lideranças dos grupos que usavam os microfones para falar sobre impeachment e defender a volta do regime militar. No início da tarde, algumas pessoas furaram o bloqueio da polícia e entraram no espelho d'água do Congresso