Publicado 10 de Novembro de 2015 - 18h02

Por Agência Estado

A falta de produtos nas gôndolas dos supermercados aumentou em setembro deste ano, segundo dados da empresa de monitoramento NeoGrid. A porcentagem de vezes em que o consumidor não encontrou o produto que procurava chegou a 3,2%, saindo de 2,68% em agosto. As vendas perdidas devido à falta de itens na gôndola atingiram o maior nível desde outubro do ano passado.

De acordo com a pesquisa, em 43,21% dos casos o que gerou a falta de produto nas prateleiras foram problemas logísticos. Esse tipo de problema tem sido destacado por empresários do setor como uma consequência de negociações mais demoradas entre varejistas e fornecedores. Isso ocorre diante da dificuldade de negociar preços em meio à forte volatilidade nos custos, provocada entre outras coisas pelo impacto do câmbio.

"O varejo continua receoso, comprando menos, com medo de que a mercadoria fique encalhada na gôndola", disse em nota Robson Munhoz, diretor de relacionamento, varejo e indústria da NeoGrid.

A maioria dos casos de falta de produto ocorreu, porém, por falha de execução nas lojas. Esses casos foram 56,04% do total, a maior parte deles por diferença no número de produtos que consta no sistema de informações da loja e a quantidade que, fisicamente, está disponível para venda ao consumidor.

O local do Brasil com mais problemas de falta de produtos foi a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, onde 4,16% dos produtos faltaram nas gôndolas. O segundo pior número foi o da região que combina os Estados de Minas Gerais, Espírito Santo e interior do Rio de Janeiro, com 3,95%. O indicador foi menor no Sul, onde ficou em 2,65%.

Escrito por:

Agência Estado