Publicado 09 de Novembro de 2015 - 20h41

Por Agência Estado

Com as novas informações, o número de pessoas desaparecidas, segundo a prefeitura, passa para 24, sendo 11 funcionários e 13 moradores

Antonio Cruz/ Agência Brasil

Com as novas informações, o número de pessoas desaparecidas, segundo a prefeitura, passa para 24, sendo 11 funcionários e 13 moradores

O prefeito de Mariana (MG), Duarte Junior (PPS), que havia sido internado no domingo por estresse, teve alta nesta segunda-feira (9), e declarou ser contra a paralisação das atividades de mineração da empresa Samarco, responsável pelas barragens que se romperam na quinta-feira e destruíram o distrito de Bento Rodrigues. "Mariana é altamente dependente da mineração. Sou a favor da suspensão das atividades por prazo determinado, mas não da paralisação definitiva da mina", disse.

Segundo o prefeito, 80% da arrecadação da cidade vem das atividades mineradoras. "A cidade tem quatro grandes receitas: Imposto sobre Serviços (ISS), Imposto sobre Circulação de Bens e Mercadorias (ICMS), Fundo de Participação dos Municípios e a Compensação Financeira sobre Produtos Minerais (Cefem). A Cefem me rende R$ 3,5 milhões por mês", conta. "Sem ela, teremos de rever a folha de pagamento e fazer cortes", disse.

"Ainda teremos de fazer contas para ver quais serão as áreas que terão cortes, assim não quero anunciar nada antes de fazer as contas", disse o prefeito, sem descartar que a área de educação, que tem peso no funcionalismo, seja afetada.

O prefeito disse ainda que tem acompanhado as providências adotadas pela Samarco e pelo Ministério Público Estadual sobre o caso. "O que a gente espera não é só a indenização, com a Samarco dando uma casinha para cada um picadinho, em cada lugar, mas que seja encontrada uma área em que as pessoas possam ficar juntas", disse o prefeito.

Ele também comentou a determinação do Ministério Público que exige pagamento imediato de um salário mínimo para cada grupo familiar atingido pelo rompimento das barragens de Bento Rodrigues. "Tinha gente lá que tinha horta orgânica, plantação de pimenta. Essa gente tinha uma renda maior do que essa e está com conta para pagar", disse.

O prefeito teve um mal súbito na manhã de domingo e foi internado no Hospital Monsenhor Horta, único de Mariana. Segundo nota oficial da prefeitura, ele apresentava quadro de "estresse e cansaço", mas os exames "não apresentaram anomalias."

VÍTIMA

Na tarde desta segunda-feira foi identificado o corpo de Valdemir Aparecido Leandro, de 48 anos, funcionário da empresa Geocontrole, prestadora de serviços para a Samarco. A informação consta em boletim de prefeitura de Mariana, em Minas Gerais. A vítima é a terceira identificada após o rompimento de duas barragens na cidade.

Ainda segundo a prefeitura, um corpo foi resgatado no município de Barra Longa, ainda sem identificação e sem confirmação de sexo e idade. Outro corpo está no Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte, aguardando identificação.

Com as novas informações, o número de pessoas desaparecidas, segundo a prefeitura, passa para 24, sendo 11 funcionários e 13 moradores. O número de desabrigados agora é de 612 - 162 famílias estão hospedadas em hotéis de Mariana.

O motorista Sileno Narkevicius de Lima, de 47 anos, funcionário de uma empresa terceirizada que prestava serviço para a mineradora Samarco, foi a segunda vítima confirmada. A identificação foi feita na madrugada desta segunda-feira, 9.

A primeira vítima da tragédia foi Cláudio Fiúza, funcionário da Samarco, que teve um mal súbito no momento em que a barragem desabou, conforme informações dos bombeiros.

 

Escrito por:

Agência Estado