Publicado 09 de Novembro de 2015 - 18h13

Por Suzamara Santos

liquido

Janaína Ribeiro/ Especial AAN

liquido

liquido

Andei me dedicando aos vinhos brasileiros neste espaço e, como já esperava, recebi interrogações sobre a qualidade, o custo/benefício, a diversidade etc, etc, etc... Há uma torcida favorável, mas também há os desconfiados. Dos que torcem o nariz, poucos conhecem, de fato, o vinho brasileiro. E não é nenhum demérito, porque nos últimos anos surgiram muitas vinícolas, desbravando terroirs novos com ímpeto para produzir bons vinhos e que ainda são pouco conhecidas. Quer testar seus conhecimentos?

Dos dez vinhos citados aqui, anote quantos você já experimentou, quantos já ouviu falar e quantos são completamente estranhos: Cave Geisse Brut 2002, Décima Gran Reserva Tannat, Batalha Tannat, Estrelas do Brasil Nature, Guatambu Épico, Vinhética Terroir Rosé, Hermann Matiz Alvarinho, Pericó Plume Chardonnay, Pizzato DNA 99 e Villagio Grando Além Mar.

Para a maioria, os nomes mais familiares talvez sejam o Cave Geisse Brut e o Pizzato DNA, ambos da Serra Gaúcha, por sua presença há mais tempo no mercado. Os demais são rótulos vindos da Campanha Gaúcha, da Serra do Sudeste, do Planalto Catarinense e, claro, novamente da Serra Gaúcha, o endereço mais antigo da nossa vitivinicultura, onde estão Miolo, Salton, Casa Valduga, Don Laurindo e outras já tradicionais.

A seleção citada não é gratuita. São as escolhas do sommelier Diego Arrebola, um dos mais premiados do País, publicada na VCP News, revista produzida pela equipe da Metrópole. Uma referência para lá de confiável para quem se dispuser a conhecer o nosso vinho. Quanto às pedras no caminho, elas existem, claro: impostos, distribuição, dólar, divulgação, preço e por aí vai... Mas, na minha modesta opinião, o maior desafio dos produtores nacionais ainda é ganhar a confiança e a simpatia dos apreciadores. Saúde! 

Especial para mim

Recebi essas três minigarrafas personalizadas da empresa B.A. Plus Eventos & Travel, acompanhadas de um recadinho carinhoso. A inspiração foi o artigo Simpáticos ovinos espanhóis (13/9/15), em que eu falei da dificuldade de extrair o rótulo da garrafa sem danificá-lo. Daí, a empresa se solidarizou com o meu drama e criou uma minigarrafa de vinho com um rótulo personalizado, que traz o meu nome e uma foto da cidade de Porto, que adoro. As outras duas homenageiam Campinas, com fotos do compositor Carlos Gomes e de pontos turísticos da cidade. Boa ideia para brindes em eventos e festas. E nem vou precisar retirar o rótulo da garrafinha, pois a equipe fez a gentileza de enviar um à parte, caso eu queira iniciar meu álbum de recordações etílicas. Agora vai!

Escrito por:

Suzamara Santos