Publicado 11 de Novembro de 2015 - 5h30

Empresas de proteção ao crédito pretendem criar uma associação para o setor. Inicialmente formada por Serasa Experian e Boa Vista SCPC. A Associação Nacional dos Birôs de Crédito (ANBC) surge na véspera da decisão da Justiça paulista sobre a obrigatoriedade do envio de carta com aviso de recebimento (AR) para o devedor antes de sua inclusão na lista de inadimplentes, o que, segundo as empresas do ramo, aumenta os custos dos serviços. Antes da lei paulista, o devedor recebia carta simples e tinha até dez dias para quitar o débito. Caso não pagasse o valor devido dentro do prazo, seu nome entrava para a lista de devedores. Agora, com a nova lei, o consumidor com contas a pagar só entra para a lista de devedores das empresas de crédito se assinar a carta com AR. Caso contrário, o credor deve registrar o protesto da dívida em cartório, de onde será mandada outra carta AR ao consumidor que deverá, então, quitar a dívida - e pagar os encargos do cartório.

“A carta com aviso de recebimento é oito vezes mais cara que a carta simples”, diz José Luiz Rossi, presidente da Serasa Experian Brasil e América Latina. Ele acredita que a nova legislação tem boa intenção, mas acaba por prejudicar o consumidor. “A média de uma dívida do varejo está entre R$ 40 e R$ 50, praticamente o custo que um cliente tem para limpar o seu nome no cartório”.

A ANBC, explicou Rossi, pretende promover estudos, pesquisas e o acompanhamento dos processos legislativos para aumentar a oferta de crédito no País. “A associação surge porque precisamos de um mercado de crédito forte numa economia pujante. Não existe economia importante no mundo sem oferta de crédito”. (Agência Estado)