Publicado 16 de Novembro de 2015 - 5h30

A prova da primeira fase do vestibular 2016 da Universidade Estadual Paulista (Unesp), aplicada ontem, abordou em duas questões assuntos relacionados ao terrorismo. Uma delas fazia menção ao ataque feito contra o jornal Charlie Hebdo, no mês de janeiro, em Paris, mesma cidade que na sexta-feira foi alvo de uma série de atentados coordenados assumidos pelo grupo extremista Estado Islâmico. A pergunta pedia uma reflexão sobre a liberdade de expressão. A outra questão fazia relação entre os movimentos islamitas e o poder político no Oriente Médio. O exame realizado pela Fundação Vunesp, teve mais de 100 mil candidatos inscritos.

As provas foram realizadas em Americana, Campinas, Guarulhos, Jundiaí, Piracicaba, Ribeirão Preto, Santo André e Sorocaba e ainda em Brasília (DF), Campo Grande (MS) e Uberlândia (MG). A segunda fase será aplicada nas mesmas cidades nos dias 13 e 14 de dezembro. Em Campinas o índice de abstenção ontem foi de 6,8%, menor que o total geral (8,3%).

A prova teve duração de 4h30. Nesta primeira fase do exame, os candidatos responderam a 90 questões de múltipla escolha. Sendo 30 de linguagens e códigos (língua portuguesa, literatura, língua inglesa, educação física e arte), 30 de ciências humanas (história, geografia e filosofia) e outras 30 de ciências da natureza e matemática (biologia, física, matemática e química).

Para Célio Tasinafo, diretor pedagógico do Oficina do Estudante, a prova não teve muitas surpresas, e seguiu o padrão de outros anos. “Os alunos estavam bem preparados. As questões 42 e 60, de ciências humanas, foram referentes aos ataques terroristas. Quem acompanhou os noticiários desde a última sexta-feira pôde fazer com mais tranquilidade e interpretar as perguntas.” Já nos temas abordados na linguagem, predominou a leitura e interpretação de texto. O diferencial foram duas questões de gramática e literatura. Os alunos não esperavam por questões trazendo nomes da literatura brasileira, como José de Alencar, Mário de Andrade e Carlos Drummond de Andrade.

A canditada Bárbara Garcia Ferreira, de 17 anos, prestou como primeira opção astrofísica na USP e ficou em terceiro lugar na Olímpiada de Astronomia Astronáutica Brasileira. “Acho que estudei o suficiente. Estou confiante.” Já Camila Granghelli, de 17 anos, que prestou para medicina, disse ter dificuldades na prova de linguagem, pois eram textos longos, como no Enem. “A prova estava muito difícil. Muita interpretação”, afirmou. “Achei a prova bem distribuída em relação aos outros vestibulares”, disse Camila Rodrigues, de 18 anos que está prestando para o curso de farmácia.

Não houve congestionamento de veículos por causa do exame no entorno dos locais de prova. O gabarito já está disponível no site da Vunesp (www.vunesp.com.br) e da Unesp (www.unesp.com.br). (Colaborou Janaína Ribeiro/AAN)