Publicado 12 de Novembro de 2015 - 5h30

Depois de meses de bajulação, elogios rasgados, parcerias, jantares e sabe-se lá mais o que, o PSDB resolveu recobrar a razão e decidiu que não dá mais para ser o “partido-amigo” do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Pelo menos, publicamente. Até agora, os tucanos eram defensores ferrenhos do peemedebista porque ele poderia garantir a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma e desgastar o governo. Parecia não ter muita importância para os tucanos o fato de Cunha ser denunciado na Lava Jato, por corrupção na Petrobras, entre outras coisas.