Publicado 11 de Novembro de 2015 - 5h30

A transferência dos 400 voos domésticos diários para o novo terminal do Aeroporto Internacional de Viracopos poderá ter início no próximo mês, quando as obras do Píer C, destinado aos voos nacionais, estarão concluídas, informou a Aeroportos Brasil Viracopos (ABV), concessionária do terminal de Campinas. A previsão é que, se não houver nova interrupção no fluxo de recursos, a área doméstica será concluída em dezembro, mas a finalização total das obras de ampliação do aeroporto ficará para 2016, porque não haverá condições de entregar o Píer B, uma área mista de voos nacionais e internacionais, este ano.

Pelo contrato de concessão, Viracopos deveria ter sido concluído um mês antes da Copa do Mundo, em maio do ano passado. O calendário de transferência dos voos depende ainda do término das negociações entre a gestora do aeroporto e as empresas aéreas. O mais provável é que Gol e TAM sejam as primeiras a fazer a transferência e a Azul, que tem maior número de operações, seja a última, mantendo o atendimento dos passageiros no embarque e desembarque ainda no terminal antigo até o final da alta temporada.

A retomada, em ritmo ainda lento, foi possível com recursos dos acionistas da ABV, que fizeram um aporte de R$ 32 milhões, de verbas do fluxo de caixa da concessionária, além de liberações de bancos privados e do Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). No total, o aporte somará R$ 115 milhões, ainda insuficientes para concluir a obra do novo terminal de passageiros. A concessionária definiu a término das obras que permitirão a transferência dos voos domésticos para o fim do ano.

Para isso, os gestores de Viracopos estão contando com a liberação do empréstimo do BNDES, aprovado em junho, no valor de R$ 630 milhões. Desse total, uma pequena parte foi liberada, o que permitiu a retomada das obras e pagamento dos fornecedores, além de iniciar a contratação de funcionários. O banco vem liberando os recursos do financiamento, aos poucos, o que ainda não permite que as obras sigam com mais rapidez.

A primeira fase de transferência para o T1 foi iniciada em dezembro de 2014 com todos os voos internacionais passando para o Píer A (internacional). Nos primeiros oito meses do ano, 445,4 mil pessoas utilizaram as novas instalações do aeroporto para voar para o exterior.

O Píer B, que ficará para 2016, será destinado aos novos voos que forem agregados a Viracopos — ou seja, seu funcionamento, mesmo que estivesse concluído, não começaria este ano. Para o volume de voos atuais, nacionais e internacionais, os píeres A e C são suficientes. O B ficará como um píer de espera da capacidade que Viracopos terá em atrair novas empresas áreas e ampliação de voos das atuais companhias.

A Aeroportos Brasil é controlada pela UTC Participações, pela Triunfo Participações e Investimentos S.A. e pela empresa aeroportuária internacional Egis Airport Operation, que opera 13 aeroportos no mundo, além de Viracopos. A UTC, envolvida na Operação Lava Jato, colocou sua parte em Viracopos à venda. Ela tem 23% de participação na Aeroportos Brasil Viracopos (ABV) o que equivaleria, segundo avaliação do mercado, entre R$ 300 milhões e R$ 450 milhões.

O grupo UTC recebeu três ofertas para a compra de sua participação no Aeroporto Internacional de Viracopos e a maior delas, de R$ 564 milhões, foi feita pelo fundo americano Fortress, que se associou à empresa de engenharia e construção WTorre e à empresa de investimentos com base em São Paulo Invixx. Está sendo esperada a movimentação da Triunfo, sócia da UTC em Viracopos, que pode cobrir a oferta do Fortress e tem direito de preferência.

American cancela linha diária de Campinas a Miami

Os passageiros que embarcam nos voos da American Airlines, no Aeroporto Internacional de Viracopos, estão sendo avisados que a companhia aérea norte-americana vai extinguir suas operações entre o terminal campineiro e Miami. A American, que mantém um voo diário entre Campinas e a cidade na Flórida, passará a operar sazonalmente, a partir de 11 de fevereiro de 2016. “A American Airlines avalia sua malha aérea e realiza estudos aprofundados, que incluem desempenho de mercado e cenário competitivo, para garantir o melhor aproveitamento de sua frota e tripulação em toda a sua rede de voos e maximizar a sua rentabilidade. Esse extenso planejamento é realizado com um objetivo em mente: tornar-se uma companhia mais forte. Como resultado dessa avaliação, os voos da companhia entre Miami e Campinas serão operados de forma sazonal, a partir de 11 de fevereiro de 2016”, informou a companhia em comunicado.

Ainda de acordo com a aérea, “o Brasil continua sendo um importante mercado para a American, que oferece mais voos para os Estados Unidos do que qualquer outra companhia. Com as recentes mudanças, a empresa passa operar em nove destinos no País: Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.”

Este é o segundo cancelamento de rota que a American promove no Aeroporto de Viracopos. Em março, a companhia extinguiu os três voos semanais que mantinha entre Campinas e Nova York. A empresa acabou desistindo do trecho apenas três meses após o início das operações. A ligação entre as duas cidades, inaugurada em 1 de dezembro de 2014, deixou de existir em 30 de março deste ano. Na época, a companhia informou que a mudança fazia parte de um plano de adequação de sua malha aérea. Os passageiros de Campinas, de acordo com a American, continuarão a ser antendidos no Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos, onde a companhia mantém voos para dos dois destinos até então ofertados em Viracopos.

Perdas

Com o fim da rota Campinas-Miami, a American Airlines engrossa a lista de companhias que, em menos de um ano, deixaram de operar voos internacionais em Viracopos. A Gol, que mantinha frequências semanais, também entre Campinas e Miami, deixou de operar o trecho em 25 de outubro. No dia 15 de dezembro será a vez da Copa Airlines deixar o aeroporto campineiro.

Em setembro, a companhia panamenha anunciou a extinção de seu voo para o Aeroporto de Tocumem, na Cidade do Panamá. A Copa, que chegou a Campinas com um voo diário — único da empresa para uma cidade no Interior —, acabou reduzindo a frequência para quatro semanais. De acordo com a companhia, a operação em Campinas não se mostrou rentável suficiente para manter a operação.

Desse modo, a Azul passará, até o fim do ano, a ser a única opção para os passageiros de Viracopos que pretendem voar para os Estados Unidos. A companhia aérea mantém um voo diário para Fort Lauderdale/Miami e outro para Orlando. A Azul, que havia anunciado uma frequência para Nova York — que seria inaugurada no meio do ano —, preferiu recuar frente à crise econômica e a disparada do dólar. Além da Azul, apenas a TAP mantém voos internacionais no terminal campineiro. A companhia portuguesa voa três vezes de Viracopos para Aeroporto da Portela, em Lisboa.

Em nota, a Aeroportos Brasil Viracopos informou que “essa redução é um reposicionamento momentâneo das companhias aéreas em relação ao mercado atual. As companhias estão reduzindo frequências/destinos em diversos aeroportos e países, não apenas em Campinas. Viracopos continua conversando com diversas empresas aéreas para a criação de novas rotas.” (Eduardo Gregori/AAN)