Publicado 16 de Novembro de 2015 - 5h30

Com chances matemáticas de conquistar vaga a Copa Libertadores, a Ponte Preta enfrentará, quarta-feira, às 21h, no Estádio Moisés Lucarelli, um adversário desesperado pela vitória para não correr risco de entrar na zona da rebaixamento. Com 36 pontos, em 15 lugar, o Figuerense — em caso de derrota — poderá ser ultrapassado pelo Avaí, que tem um ponto a menos e joga em casa contra o Joinville, e também pelo ganhador do confronto entre o Goiás (17º) e Coritiba (18º).

Por isso, a ordem por lá é concentração total para vencer a Macaca. Tanto que o técnico Hudson Coutinho comandou treinos fechados durante a semana e não confirmou se os atacantes Yago e Dudu, que cumpriram suspensão automática, estarão de volta. Também não decidiu o substituto do volante João Vitor, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Denis e Paulo Roberto são as opções.

Maior destaque do clube catarinense na temporada, o goleiro Alex Muralha foi escalado para falar com os jornalistas na entrevista coletiva de ontem. “A Ponte Preta está numa crescente, mas temos que pensar na vitória. Este jogo será uma guerra e estamos preparados para superar. Estamos juntos nessa caminhada e vamos sair dessa situação complicada”, disse o goleiro.

A Ponte Preta é apenas mais um dos adversários difíceis que o Figueira terá na reta final do Brasileirão. Depois deste jogo, receberá a Chapecoense, sairá para encarar o São Paulo e encerrará sua participação em casa, diante do Fluminense. “Se a gente terminar com um ponto fora da zona de rebaixamento, nosso objetivo estará alcançado”, finalizou o goleiro.

Em Campinas, o técnico Felipe Moreira comanda hoje, pela manhã, o coletivo em que deve confirmar a formação para manter viva a esperança de jogar a Libertadores. Sem Felipe Azevedo, que passou por cirurgia, Diego Oliveira deve assumir a vaga. “Ainda não sei se vou jogar, mas estou pronto para ajudar. Temos mais um jogo complicado e nossa meta é vencer. Somar o maior número de pontos e, depois, ver se é possível garantir vaga na Libertadores”, disse.

O lateral-direito Rodinei, que tem proposta do Grêmio, também estaria nos planos do Flamengo e Corinthians. “Tenho contrato com a Ponte até o final do Brasileiro e meu pensamento está só aqui”, garante o jogador.

NOTAS DA MACACA

Encostado

O atacante Rafael Ratão, de 19 anos, que foi emprestado pela Ponte Preta ao Alibirex Niigata, do Japão, em julho, ainda não se acertou por lá. Em quase cinco meses de clube, entrou apenas uma vez em campo, aos 20' do 2 tempo, na goleada sobre o Blaublitz Akita, por 4 a 0, em 9 de setembro, pela Copa do Imperador. Não marcou gol. Deste então, não foi mais relacionado.

Problemas

Ratão veio do São Paulo como promessa, mas ficou mais conhecido no Majestoso por sucessivos problemas extracampo. Desde que foi afastado do elenco principal da Macaca em meados de 2013, começou a ser emprestado. Em todos clubes por onde passou, acabou dispensado: Santos, Penapolense, Guaratinguetá e Boa Esporte. Seu compromisso com a Ponte vai até o final de 2017.