Publicado 12 de Novembro de 2015 - 5h30

No Brasileirão, continuidade é sinônimo de resultado. Pelo menos é isso que se conclui se for levado em conta o fato de que, dos 20 clubes que disputam a Série A, apenas Corinthians, virtual campeão, e Atlético Mineiro, vice-líder, não trocaram de treinador após 34 rodadas. Tite e Levir Culpi continuam no comando das equipes mais bem colocadas da competição. O Avaí, que mantinha o mesmo técnico desde o Estadual, dispensou Gilson Kleina na noite de terça-feira em um "acordo amigável". O clube catarinense é o primeiro time fora da zona de rebaixamento e ocupa a 16 colocação, com 35 pontos. A ideia de trocar o treinador, de acordo com o Avaí, foi criar "um fato novo", em uma tentativa de evitar o descenso. Até a 34 rodada, o Brasileirão já viu 30 trocas de técnicos e a maioria delas não foi nada "amistosa", como sugere a saída de Gilson Kleina. Impera a demissão.

Há casos curiosos. Doriva dirigiu três clubes só neste Brasileirão. Começou no Vasco, do qual foi demitido. Depois, assumiu a Ponte Preta. O técnico deixou o clube de Campinas para assinar contrato com o São Paulo, que o demitiu após sete jogos. Vanderlei Luxemburgo também foi demitido duas vezes: Flamengo e Cruzeiro dispensaram o treinador cinco vezes campeão nacional. (AE)