Publicado 11 de Novembro de 2015 - 5h30

O fim da tabela dirigida nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, que será na Rússia, aumenta ainda mais o caráter decisivo do clássico entre Argentina e Brasil, amanhã, em Buenos Aires. Se durante mais de uma década o confronto entre as duas seleções era sempre agendado pelos cartolas para ocorrer apenas na sexta rodada, dessa vez o sorteio colocou os rivais frente a frente já na terceira rodada e em situações nada confortáveis.

No Brasil, Dunga está pressionado a conquistar a primeira vitória fora de casa e contra um adversário de peso. Na Argentina, a tensão é maior porque a seleção ainda não venceu nas Eliminatórias e, para piorar, não terá amanhã Messi, Agüero e Tevez, todos machucados.

Desde as Eliminatórias para o Mundial de 2002, um acordo costurado pelo ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira e o ex-presidente da AFA (Associação do Futebol Argentino) Julio Grondona, morto em 2014, garantia que as duas seleções se enfrentassem no meio da disputa pela vaga para a Copa e nunca no começo ou no fim. Nas duas últimas rodadas, por exemplo, o Brasil jogava contra Bolívia e Venezuela, historicamente os adversários mais fracos do continente.

Agora, Conmebol e Fifa decidiram acabar com a ordem fixa de jogos estabelecida desde 2000. A sequência de jogos foi definida em sorteio realizado em julho, na Rússia. Nas Eliminatórias da América do Sul, as 10 seleções do continente se enfrentam em sistema de pontos corridas, em turno e returno.

Dunga encara o jogo contra a Argentina como uma "guerra" e já passou este espírito para os jogadores. O meia Lucas Lima, do Santos, por exemplo, classificou como uma "batalha" o jogo no estádio Monumental de Núñez. "Tem muita rivalidade por conta de toda grandeza desse clássico. Vai ser uma batalha. Temos consciência disso e estamos preparados pra mostrar nosso futebol, brigar e fazer nosso melhor em campo", disse.

Para o goleiro Cássio, nem mesmo o fato de a Argentina estar desfalcada de seus principais jogadores e o Brasil contar com o retorno de Neymar tornam a Seleção favorita. "Não podemos desmerecer ou menosprezar porque não joga o Messi. Argentina é muito forte, luta muito, briga muito, tem qualidade de poder ofensivo", afirmou.

Dunga deve mexer pouco na Seleção Brasileira. As únicas mudanças em relação ao time que bateu a Venezuela por 3 a 1, na última rodada, em outubro, devem ser as voltas de Neymar e David Luiz. Ontem, o treinador permitiu que a imprensa acompanhasse apenas os 15 minutos finais do treino realizado no CT do Corinthians, em São Paulo. (Da Agência Estado)

Argentina confirma corte de Tevez por contusão

Depois de dois dias de muita especulação, a Associação de Futebol Argentino (AFA) anunciou ontem o corte do atacante Carlitos Tevez. O jogador está com uma sobrecarga muscular e com uma lesão no tornozelo esquerdo e não terá condições de enfrentar nem o Brasil, amanhã, em Buenos Aires, nem a Colômbia, na terça que vem, fora de casa.

Tevez já não participou da derrota do Boca Juniors para o Rosario Central, no último domingo, por 3 a 1, pela última rodada do Campeonato Argentino — sua equipe havia faturado o título antecipadamente.

Na última segunda-feira, quando a seleção se apresentou, o jogador passou por exames e a imprensa argentina chegou a noticiar o seu corte.

Só agora, entretanto, é que ficou definido que Tevez não terá mesmo condição física de participar de nenhuma das duas próximas partidas da Argentina pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, encerrando uma temporada que durou um ano e meio para ele. O atacante foi vice-campeão da Liga dos Campeões da Europa com a Juventus, da Itália, disputou a Copa América com a Argentina e já iniciou um intenso segundo semestre com o Boca Juniors. Agora, volta ao clube para se tratar.

Sem Tevez, o técnico Gerardo Martino perde seu terceiro jogador de ataque para o jogo mais aguardado das Eliminatórias. Os dois titulares de frente também estão machucados e nem foram convocados: Lionel Messi e Sergio Agüero. Ainda assim, o treinador conta com Higuaín, Lavezzi, Angel Correa e Gaitán.

Na semana passada, Martino já teve que cortar o lateral-direito Pablo Zabaleta e o zagueiro Ezequiel Garay, ambos por lesão. Para os seus lugares foram chamados Gino Peruzzi (do Boca Juniors) e Jonathan Maidana (do River Plate). (AE)

A FRASE

"Por ser convocado, todo jogador tem condições. Todos foram convocados por méritos.”

Lucas Lima é candidato a novidade no meio-campo

Candidato a ser novidade no meio de campo da Seleção Brasileira para o jogo de amanhã contra a Argentina, pela terceira rodada das Eliminatórias da Copa de 2018, Lucas Lima comemora o retorno de Neymar à equipe após o atacante cumprir suspensão imposta pela Conmebol. O meia do Santos exalta não apenas o talento do craque do Barcelona, mas também festeja o fato dele praticamente monopolizar a atenção dos adversários.

"Como a atenção fica mais em cima dele, acaba sobrando espaço para os outros jogadores", disse Lucas Lima em entrevista coletiva ontem, no CT do Corinthians, onde treinou a Seleção Brasileira.

Em grande fase no Santos, o meia pode ficar com a vaga de Oscar na Seleção. Dunga faz mistério e fechou o treino de ontem à imprensa. Os jornalistas só puderam acompanhar os 15 minutos finais. "Só de estar aqui me sinto feliz, sempre foi sonho de criança. Claro que aos poucos consigo meu espaço na equipe, espero evoluir a cada jogo com a Seleção, me sinto mais solto a cada jogo", disse Lucas Lima.

Quem também pode ser titular é Ricardo Oliveira. O fato de a dupla jogar no Santos, inclusive, pode ser decisivo na hora de Dunga definir o time. "A gente tem esse entrosamento, isso mostra força do futebol brasileiro. Vários daqui foram convocados", afirmou o meia. (AE)