Publicado 11 de Novembro de 2015 - 5h30

Em meio a uma crise econômica que assusta o Brasil, a Ponte Preta faz projeções otimistas para o próximo ano. Em reunião realizada segunda-feira à noite, no Salão Nobre do Majestoso, 56 conselheiros aprovaram por unanimidade o maior orçamento da história da Macaca para uma temporada. Ao todo, o clube prevê investir R$ 45,5 milhões em 2016, o que dá uma média de R$ 3,8 milhões por mês.

Nesta conta, estão somados todos investimentos para montagem e manutenção do futebol profissional e de base; custeio com folha de pagamento de funcionários; manutenção do estádio, unidade social do Jardim das Paineiras e Centro de Treinamento do Jardim Eulina; investimento em marketing, administração, encargos, alimentação, pagamentos de empréstimos, processos judiciais e impostos.

Para poder investir tanto, a Ponte aposta em cotas de TV, patrocínios, premiações por objetivos alcançados em torneios, contratos de material esportivo, receitas com bilheteria, arrecadação com o programa TC10+, verba de material licenciado e dinheiro decorrente de transações de atletas.

De acordo com os números divulgados pela assessoria, a Macaca pretende gastar 97% do que espera arrecadar em 2016, quantia estimada em R$ 45,5 milhões. O valor é um pouco maior do que foi aprovado na reunião (R$ 43,6 milhões), sendo que quase R$ 32 milhões irão diretamente para o futebol profissional.

A quantia representa quase R$ 10 milhões a mais do que foi investido neste ano — R$ 23,9 milhões. O futebol deverá custar R$ 2,7 milhões por mês, sendo que uma parte menor será usada para o Paulistão e a maior ficará para a disputa do Brasileirão, Copa do Brasil e Copa Sul-Americana.

"Estamos prevendo aplicar 71% da receita total, permitindo ter uma ‘gordurinha' para o caso de emergência no transcorrer do ano", adianta o diretor financeiro Gustavo Valio. "Cabe lembrar que os 71% estão dentro das exigências do Profut", ressalta Valio, referindo-se ao programa de refinanciamento de dívidas com o Governo Federal, que permite investimento de até 80% da receita bruta no futebol.

Valio ressalta que os números estão dentro da realidade do clube. "Fizemos uma previsão com os pés bem fincados no chão. Neste ano, previmos a entrada de R$ 2,6 milhões com negociação de jogadores, mas já foram R$ 6 milhões. Ou seja, fizemos uma previsão conservadora. Caso venham mais valores deste tipo de fonte, teremos mais recursos", descreve Valio.

NOTAS DO MAJESTOSO

Associados

Os valores do TC10+ também vão subir em 2016. A mensalidade do TC10+ arquibancada hoje custa R$ 50 e passará para R$ 55 durante o Paulista e subirá para R$ 60 para a disputa do Brasileirão, que inclui jogos da Copa do Brasil e Sul-Americana.

Time

Depois de três dias de folga, os jogadores da Macaca retornam hoje aos treinos no CT do Jardim Eulina. O técnico Felipe Moreira começa a preparar o time para o jogo com o Figueirense, que está marcado para o dia 18, às 21h, no Majestoso.

Negociações

O volante Anselmo, do Joinville, é mais um jogador que faz parte dos planos da Macaca para 2016, mas ele tem uma proposta do Japão. Ele viria para o lugar de Fernando Bob, que não ficará no Majestoso. A diretoria também negocia com o atacante Rhayner, do Vitória.

30.000.000

É o valor que a Ponte negocia com a Globo pelos direitos de transmissão de seus jogos no Brasileirão 2016