Publicado 13 de Novembro de 2015 - 19h31

Os protagonistas de 'Nuvem de Lágrimas', Lucy Alves e Gabriel Sater, em cena do musical

DIVULGAÇÃO

Os protagonistas de 'Nuvem de Lágrimas', Lucy Alves e Gabriel Sater, em cena do musical

“Sou, sou desse jeito e não mudo. Na roça nós tem de tudo, e a vida não é mentira. Sou, sou livre feito um regato, eu sou um bicho do mato. Me orgulho de ser caipira.” Essas palavras, escritas por Joel Marques e eternizadas nas vozes de Chitãozinho e Xororó na canção 'Caipira', compõem o primeiro número do musical 'Nuvem de Lágrimas' por um motivo óbvio: exalta o homem do campo, da terra, e o orgulho caipira que, em tempos de tamanha valorização das cidades grandes e modernidades tecnológicas, está cada vez mais esquecido.

“Pra não faltar pão na mesa, às vezes vou à cidade. Mas nem sei falar direito, pois caipira de verdade nasce e morre desse jeito”, diz a canção. A música sertaneja de raiz, por muitos anos, dominou as rádios do Brasil. Exatamente por isso, o orgulho de nascer e morrer caipira, e não ter vergonha disso, é o mote principal do primeiro espetáculo feito exclusivamente com canções da famosa dupla sertaneja. Um projeto autoral, apesar da livre inspiração no livro 'Orgulho e Preconceito', de Jane Austen.

“A obra dela nunca teve o objetivo de ser um chamariz. A história foi escolhida porque lida com relações sociais, valores importantes do ser humano. A música sertaneja de raiz entra muito bem nesse texto, porque passa por questões sociais e preconceitos relevantes até hoje”, explica o produtor e diretor Luciano Andrey, que protagonizou a versão nacional do musical 'Priscilla, Rainha do Deserto' e é responsável pela versão brasileira de 'Mudança de Hábito'.

'Nuvem de Lágrimas', que estreou na semana passada no Teatro Bradesco, em São Paulo, e fica em cartaz até 20 de dezembro (data prorrogável), transpõe os personagens de Jane Austen para o universo do interior do Brasil do início dos anos 90. Darcy e Bete, vividos por Gabriel Sater (filho de Almir Sater) e Lucy Alves (cantora e multi-instrumentista que ficou conhecida após ser finalista do 'The Voice Brasil'), nasceram em realidades diferentes, mas, aos poucos, aprendem a superar as diferenças — e a sociedade que os cerca — para viver um grande amor.

“Antes de mais nada, é importante dizer que o espetáculo é muito diferente da história que o inspirou. Desde o começo, eu queria fazer um musical que falasse da roça, do passado simples, da terra, para mexer com o imaginário do público. Para assistir 'Nuvem de Lágrimas' não é preciso estar familiarizado com as músicas de Chitãozinho e Xororó ou o sertanejo, porque a ideia é lembrar o mundo caipira. Fazer com que o público reviva essa época, que seja ao resgatar na memória o passado de familiares, ou os contos de uma avó, por exemplo”, completa Luciano.

Repertório

Ao todo, 30 canções de todas as fases dos 45 anos de carreira da dupla radicada em Campinas compõem o repertório de 'Nuvem de Lágrimas', como o sucesso que deu nome à peça e outros como 'Evidências', 'Fio de Cabelo' e 'Galopeira'. “Mas há músicas menos conhecidas do público também, porque a nossa maior preocupação, desde o início, era montar uma dramaturgia interessante, e não um espetáculo de revista, em que se coloca sucessos musicais sem pensar na história”, completa Luciano, que contou com a codireção de Tania Nardini (que também dirige as coreografias), responsável pelas montagens de 'Chicago' ao redor do mundo.

Luciano ressalta isso para explicar que não se trata de um show, em que o público senta na plateia apenas para curtir as músicas. “É um espetáculo com pouco espaço para aplausos, já que a maioria dos números musicais termina engatando outra cena. Isso foi feito para sair justamente do show, porque aqui estamos contando uma história, usando as músicas como parte da dramaturgia. Procuramos encaixá-las de um jeito que elas parecessem ter sido compostas para o musical. Usamos músicas menos conhecidas porque elas batiam com o que queríamos contar”, diz.

O texto de 'Nuvem de Lágrimas' é de Anna Toledo, e entre as canções menos conhecidas, Luciano cita 'Cara a Cara', 'Frente a Frente' e 'Nasci de Bota e Chapéu'.

Serviço

O quê: musical 'Nuvem de Lágrimas'

Quando: até 20 de dezembro, quinta e sexta, às 21h; sábado, às 17h e às 21h; e domingo, às 19h.

Onde: Teatro Bradesco (Rua Palestra Itália, nº 500, Bourbon Shopping São Paulo, 3º piso, Perdizes, São Paulo)

Quanto: de R$ 25 a R$ 200; ingressos à venda na bilheteria do Teatro Bradesco, pelo telefone 4003-1212 e pelo site www.ingressorapido.com.br