Publicado 11 de Novembro de 2015 - 5h05

Por Milene Moreto

Observação

O secretário de Relações Institucionais de Campinas, Wanderley Almeida, responsável pelas articulações políticas do governo Jonas Donizette (PSB) e pelo

projeto de reeleição do peessebista, disse que ouviu as demandas dos aliados em relação a uma possível ruptura com o PCdoB mas, por enquanto, o estado é de “observação”. Segundo Wandão, até agora, o partido não deu nenhuma sinalização de que pretende romper a aliança estabelecida em 2012.

 

Discussão

A permanência do PCdoB na aliança de Jonas foi questionada pelos vereadores da base governista na última semana, durante uma reunião na Prefeitura, e na presença do parlamentar que representa a legenda na Câmara, Gustavo Petta. Aliados do prefeito acreditam que o partido vai fazer acordo com o PDT para 2016, e por isso, o PSB deveria excluir a sigla do bloco e seus cargos na Administração. Wandão acha que não é a hora.

A FRASE

Nem a criticaria porque ela (Simone de Beauvoir) não está mais entre nós.

Do vereador de Campinas Campos Filho (DEM), sobre as críticas que recebeu ao propor a moção que tenta excluir do Enem a questão que cita Simone de Beauvoir.

Reclamações

Em ano pré-eleitoral o Executivo sempre enfrenta mais dificuldades com os vereadores. Isso porque eles querem acelerar pequenas obras, melhorias em seus redutos eleitorais e garantir seus votos. O ensaio das minirrebeliões já começou, pelo menos em Campinas e, recentemente, algumas propostas do governo foram retiradas de pauta na Câmara.

Empenho

Oficialmente os vereadores alegam que andam sendo “esnobados” pelos secretários e, mais uma vez, as críticas foram direcionadas ao presidente da Emdec, Carlos José Barreiro. Na reunião entre base e o prefeito, os parlamentares manifestaram descontentamento.

Panos quentes

O peessebista tentou colocar panos quentes na relação entre governo e Câmara. Disse que os secretários devem ouvir os vereadores e, na medida do possível, atender às demandas. O problema é que o número de pedidos do pessoal do Legislativo é sempre assustador.

Novo prédio

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo negocia a locação de um prédio de dois pavimentos na Rua Antônio Carlos Sales Júnior, no Jardim Proença, para transferir a sede da Delegacia da Mulher (DDM) de Campinas, atualmente instalada na Avenida Governador Pedro de Toledo.

Salgado?

A expectativa é que até janeiro o negócio seja fechado, mas ainda existe um impasse em relação ao valor do imóvel, acima do que o Estado está disposto a pagar. O proprietário, figura conhecida em Campinas, quer receber o justo pelo aluguel do prédio.

Destino final

Além do novo prédio, o Estado estuda abrir outra unidade de atendimento à mulher na Segunda Seccional. O local, segundo a pasta, passa por reformas. A Segunda Seccional é alvo de constantes reclamações desde que foi inaugurada. Vários são os problemas, desde estruturais à falta de funcionários.

Só PT

O economista Marcio Pochmann, nome do PT para a disputa ao cargo de prefeito em Campinas em 2016, foi alvo ontem de uma ofensiva nas redes sociais por causa da informação que parte do dinheiro da campanha de 2012 pode ter vindo de propina paga por uma construtora ao partido. Pochmann, em entrevista ao Correio, rebateu as acusações e disse que todos os recursos recebidos na época em sua campanha foram registrados e repassados dentro da legalidade. “Parece que as doações dessas construtoras só são ilegais quando são feitas para o PT”, disse.

Colaboraram Eric Rocha e Inaê Miranda

Escrito por:

Milene Moreto