Publicado 13 de Novembro de 2015 - 22h56

Por Jaqueline Harumi/Raquel Valli

Plateia e atores usam celulares para iluminar interior do teatro: pais de crianças reclamam de falta de estrutura do espaço; Prefeitura alega que tem luzes de emergência

Marcelio Andrade/Internauta

Plateia e atores usam celulares para iluminar interior do teatro: pais de crianças reclamam de falta de estrutura do espaço; Prefeitura alega que tem luzes de emergência

Com ventos que chegaram a 100km/h em Campinas, a chuva que atingiu a região na noite desta sexta-feira (13) deixou feridos e causou estragos.

Em Americana, quatro pessoas se feriram com gravidade em dois acidentes com motocicletas por volta das 21h, segundo o Corpo de Bombeiros. Um aconteceu no Km 128 da Rodovia Luiz de Queiroz, sentido Anhanguera, depois que uma árvore caiu na pista. O outro foi na Avenida de Cillo, onde duas motos se colidiram, na altura do número 1200.

Já em Santa Bárbara d'Oeste, a cobertura e a arquibancada da Festa do Peão caíram no primeiro dia do evento, que foi cancelado conforme a Polícia Militar. Na cidade também houve quedas de árvores no Parque Gramado e na Av. Santa Bárbara.

Em Hortolândia, o bairro Parque Orestes Ongaro ficou sem luz por conta da queda de um galho, de acordo com o Corpo de Bombeiros de Sumaré.

Em Campinas, os bombeiros registraram pelo menos cinco quedas de árvores e o Teatro Castro Mendes, na Vila Industrial, ficou sem energia, o que causou pânico em cerca de 300 crianças, nos pais e demais presentes em um espetáculo de balé infantil da companhia Cristiana Packer. "Tinha gelo seco e muita gente pensou que se tratava de um incêndio", afirma Marcelo Andrade, pai de uma das bailarinas. "O teatro estava lotado, e as pessoas ficaram desesperadas, tentando sair, em pânico" , completou. As luzes de emergência do teatro não teriam funcionado.

A Prefeitura, por meio de sua assessoria de imprensa, afirmou que a Secretaria de Cultura não recebeu nenhuma informação sobre o incidente. Informou ainda que o teatro não dispõe de gerador, mas tem luzes de segurança, que orientam o caminho de saída do teatro, nos casos de emergência. Quanto ao fato de essa iluminação não ter funcionado, reiterou que não recebeu nenhuma reclamação a esse respeito.

A reportagem tentou entrar em contato com a Companhia Paulista de Força e Luz para saber as causas do apagão, mas ninguém atendeu as ligações.

 

Escrito por:

Jaqueline Harumi/Raquel Valli