Publicado 11 de Novembro de 2015 - 17h26

Por Alenita Ramirez

Peças furtadas do Cemitério da Saudade de Americana

João Carlos Nascimento/O Liberal

Peças furtadas do Cemitério da Saudade de Americana

A Guarda Municipal de Americana (Gama) prendeu na madrugada desta quarta-feira (11) um supervisor de vendas e compras, de 39 anos, acusado de furtar placas e estátuas de bronze no Cemitério da Saudade.

A polícia suspeita que Jefferson dos Santos Bandeira integre uma quadrilha que vem furtando o local desde o início deste mês. Só no final de semana que antecedeu o Dia de Finados foram furtadas 177 peças.

Após a prisão de Bandeira, ao menos cinco homens tentaram levar dezenas de objetos, mas não conseguiram, pois testemunhas viram e chamaram a Gama. Entre os produtos deixados pelo bando há imagens de até 300 quilos, avaliadas em R$ 15 mil.

Bandeira foi preso após uma testemunha ver dois homens pulando o muro para dentro do cemitério. Ela avisou a Gama que foi ao local e esperou pela saída dos suspeitos. O comparsa do supervisor conseguiu fugir.

"Após os furtos do início do mês intensificamos a segurança no cemitério", contou a administradora do cemitério, Márcia Siriani. "Os homens não são usuários de drogas. Eles estavam bem-vestidos", acrescentou Márcia.

A dupla carregava uma imagem de Jesus Cristo de 1,60m de altura, pesando 300 quilos, da década de 1970. A estátua estava em um carrinho de lixo. A imagem foi recuperada e devolvida ao cemitério.

Cerca de três horas depois, a Gama recebeu nova ligação, desta vez de familiares que estavam no velório, informando terem visto ao menos cinco homens dentro do cemitério.

A guarda foi ao local, mas não conseguiu prender ninguém. No entanto, encontrou dentro de um carrinho de lixo dezenas de peças que seriam levadas pelos criminosos.

"Na madrugada do dia anterior, bandidos tinham entrado no cemitério e arrombaram o quartinho onde ficam as ferramentas, para furtarem carriolas, mas não conseguiram pois elas estavam acorrentadas", contou Márcia.

Como ocorre limpeza no local, a Prefeitura colocou várias lixeiras grandes, com rodinhas, para o depósito de flores secas e murchas e eram essas lixeiras que o bando usava para transportar as peças em bronze.

Segundo a administradora, o cemitério fica fechado à noite, e os criminosos pulam pelo muro. "Vamos intensificar ainda mais as rondas. Vamos pedir ajuda da Gama e da Polícia Militar", frisou Márcia, que vai separar as peças, identificar e depois avisar as famílias.

Ela acredita que a partir de sexta-feira (13) já começará a entrar em contato com os donos dos túmulos vítimas.

Na véspera do Dia de Finados, bandidos fizeram um arrastão nos túmulos. Os criminosos chegaram a levar peças de latão. Como foram feitas muitas vítimas, a delegacia as orientou a registrar uma reclamação na administração do cemitério para que fosse elaborado apenas um boletim de ocorrência. A Polícia Civil agora procura identificar outros integrantes do bando.

Escrito por:

Alenita Ramirez