Publicado 15 de Outubro de 2015 - 16h32

Por Rogério Verzignasse

joão lourenço

vários

joão lourenço

Foto: FOTOS: ACERVO NILTON CHIQUETTI/CAMPINAS DE ANTIGAMENTE/DIVULGAÇÃO

Professora Adelia Nacarato e seus alunos em 1949

Professora Adelia Nacarato e seus alunos em 1949

Quem passa todo dia pela Emílio Ribas, certamente, deixa a correria de lado e aprecia, nem que seja por alguns instantes, o prédio charmoso da escola construída no começo dos anos 40. Ali estudaram milhares e milhares de campineiros. Mas a instituição existe, de fato, há exatos 80 anos. A EE Professor João Lourenço Rodrigues nasceu em 1935, com o nome de Grupo Escolar Cambuhy. Oferecia o antigo curso primário em dependências cedidas pela Escola Normal. Ah, o estabelecimento sempre foi público. E se pautou na oferta do ensino de qualidade, apesar dos percalços econômicos e políticos da história.

Quando já funcionava na Emílio Ribas, o velho grupo escolar ganhou o nome de um educador ilustre. Paulista de Tatuí, João Lourenço Rodrigues, normalista, lecionou em Piracicaba, Amparo, São Carlos e Campinas. Foi o primeiro professor a ser nomeado inspetor-geral da Instrução Pública, cargo muito conceituado nas fileiras do funcionalismo público paulista. O cidadão também respondeu, por quase uma década, pela direção da própria Escola Normal.

    FOTO: Janaína Ribeiro/ Especial AAN

A diretora atual da escola, Jane Neli Coutinho, lembra que Rodrigues teve uma atuação social marcante. Ele foi, na primeira metade do século passado, um verdadeiro militante pela inclusão de alunos pobres. É, antes os bancos escolares, mesmo na escola pública, eram privilégio da elite. Além disso, o professor publicou estudos e artigos que embasaram programas educacionais do governo.

Hoje, a escola funciona nos períodos matutino e vespertino. Tem 710 alunos que se dividem nas salas do Ensino Fundamental e Ensino Médio. A estrutura é de primeira: há laboratório de ciências, duas salas multimídia e até dependências adaptadas para estudantes com deficiência auditiva. É um time formado por 13 funcionários, 46 professores, duas coordenadoras pedagógicas, uma diretora e uma vice.

Foto: FOTOS: ACERVO NILTON CHIQUETTI/CAMPINAS DE ANTIGAMENTE/DIVULGAÇÃO

A escola na década de 50

A escola na década de 50

O 80º aniversário, claro, teve direito a vídeo comemorativo, lançamento de jornal e revista, apresentação teatral, homenagens a antigos mestres, alunos e funcionários. Tudo recheado com depoimentos emocionados. Mas a data não teve só festa. Na oportunidade, a diretoria fez questão de renovar seu compromisso histórico de formar cidadãos responsáveis, engajados no trabalho em benefício dos semelhantes.

Aliás, a atuação no campo começa antes da formatura. A diretora lembra, por exemplo, que os estudantes e toda a comunidade escolar (pais, professores e funcionários) integram o Movimento Acordar, que passa todas as datas comemorativas do ano em creches, asilos e orfanatos. “A gente procura despertar nos jovens o espírito solidário. O projeto serve para o amadurecimento emocional, cognitivo e social”, afirma a diretora.

Foto: Divulgação

Alunos em uma das ações do Movimento Acordar

Alunos em uma das ações do Movimento Acordar

SAIBA MAIS

A Escola Estadual Professor João Lourenço Rodrigues fica na Rua Emílio Ribas, 710, bem na esquina com a Rua Barreto Leme, no Cambuí. As pessoas interessadas em conhecer a estrutura podem marcar uma visita pelo e-mail da diretora

([email protected]) ou pelos telefones

(19) 3251-1586 e 3294-4005.

Escrito por:

Rogério Verzignasse