Publicado 13 de Outubro de 2015 - 12h25

Por Carlos Rodrigues

Doriva comemora gol com os jogadores no empate contra o Corinthians: "Temos que planejar nosso primeiro objetivo, que é permanecer na elite"

Carlos Sousa Ramos / AAN

Doriva comemora gol com os jogadores no empate contra o Corinthians: "Temos que planejar nosso primeiro objetivo, que é permanecer na elite"

O empate diante do líder Corinthians interrompeu a série de vitórias no Campeonato Brasileiro e deixou um gostinho amargo pelas circunstâncias da partida, mas o ponto conquistado foi valioso considerando o alvo que a Ponte Preta procura atingir.

A nove rodadas do final do torneio, a Macaca está cada vez mais próxima do "número mágico" para afastar definitivamente qualquer possibilidade de rebaixamento. Além disso, se seguir com o aproveitamento atual até o fim, conseguirá sua melhor campanha na história dos pontos corridos.

Nas contas da comissão técnica, atingir 46 pontos é suficiente para garantir a permanência na Série A no ano que vem. Como a equipe tem 41 — 13 deles conquistados nas últimas cinco rodadas —, seria preciso apenas mais cinco. Até o fim do campeonato, a Ponte, que ocupa a 9ª posição, ainda enfrenta, em casa, Coritiba, Joinville, Figueirense e Sport e sai para encarar Palmeiras, Atlético-MG, Internacional, Flamengo e Avaí.

Apesar de a missão de conseguir duas vitórias não parecer tão desafiadora na teoria, o técnico Doriva pensa exclusivamente nisso e prefere não se concentrar em 'voos' maiores. Nem a curta distância de cinco pontos para o G4 tira o treinador do foco.

"Não estamos pensando nisso. Pensamos ponto a ponto, temos que planejar nosso primeiro objetivo, que é permanecer na elite. À medida que isso acontecer, vamos pensar no que vier pela frente", explica o comandante.

O aproveitamento atual serve para deixar o time mais confiante nessa reta final. Até o momento, a Ponte conquistou 47,1% dos pontos. Se esse desempenho for mantido, a Macaca vai terminar com 54 pontos e fará sua melhor campanha na história dos pontos corridos, em sete edições que o clube disputou neste formato.

Em campeonatos anteriores, o melhor aproveitamento foi em 2004, quando a Ponte conseguiu 46,3% dos pontos e ficou na 10ª colocação.

"Nossa sequência é difícil, mas tenho certeza que se repetirmos esse nível de comprometimento e equilíbrio teremos condições de conseguir mais vitórias", pontua Doriva, que ilustra a dificuldade do Brasileirão como um alerta para que a equipe não relaxe, mesmo estando em uma situação mais cômoda do que já esteve há algum tempo. "A arrancada foi brilhante nos últimos cinco jogos, mas sempre precisaremos buscar os resultados. O campeonato é dificílimo e vemos oscilações na maioria dos times."

Descanso

Com a paralisação do Campeonato Brasileiro por causa do início das Eliminatórias para a Copa do Mundo e o período de dez dias sem jogos, os jogadores da Ponte Preta ganharam um descanso adicional depois da partida diante do Corinthians. A reapresentação do elenco acontece só amanhã. O time volta a campo na quarta-feira, dia 14, diante do Palmeiras, às 21h, no Allianz Parque.

No bolso

Os 10.311 torcedores que foram ao Moisés Lucarelli no domingo não representaram o maior público da Ponte Preta em Campinas em 2015, que aconteceu no compromisso diante do Flamengo (10.716). No entanto, com ingressos a R$ 100 e R$ 50, a partida foi a mais rentável da Macaca em seu estádio. A renda foi de R$ 428.590,00.

Escrito por:

Carlos Rodrigues