Publicado 13 de Outubro de 2015 - 12h24

Por Paulo Santana

Com raízes pontepretanas, o auxiliar-técnico Felipe Moreira deve falar hoje sobre seus planos para o time

FOTO: Janaína Ribeiro/ Especial AAN

Janaína Ribeiro/AAN

Com raízes pontepretanas, o auxiliar-técnico Felipe Moreira deve falar hoje sobre seus planos para o time FOTO: Janaína Ribeiro/ Especial AAN

Seis vitórias, cinco empates e quatro derrotas em 15 jogos, que representam 51% de aproveitamento. Este é o saldo deixado pelo técnico Doriva, que decidiu trocar a Ponte Preta pelo São Paulo após 63 dias de trabalho no Majestoso — ele substituirá Juan Carlos Osorio, que foi para a Seleção Mexicana. O auxiliar-técnico Felipe Moreira, filho do ex-treinador Marco Aurélio, assume interinamente o cargo até que a diretoria ache um substituto.

Com Doriva, a Macaca quebrou uma série de sete rodadas sem vitórias, patinou durante algumas rodadas, mas reencontrou o bom caminho. Depois de quatro vitórias seguidas e um empate, passa por um período de estabilidade no Campeonato Brasileiro.

Quando chegou, no dia 4 de agosto, a Ponte tinha 19 pontos e ocupava a 10ª posição. Hoje, com 41, está na 9ª, e bem perto do objetivo de se garantir matematicamente na elite do ano que vem. Segundo projeções do próprio clube, cinco pontos nas 10 rodadas que faltam serão suficientes.

Por isso, a saída foi sentida, mas não chegou a ser lamentada pela diretoria alvinegra. "Fomos pegos de surpresa, mas entendemos a posição do Doriva. Ele sempre foi um profissional sério e de caráter com a Ponte. É uma perda significativa, mas temos de seguir em frente", disse o gerente de futebol Gustavo Bueno.

Para o dirigente, não havia nada a ser feito para tentar uma mudança de ideia. "O Doriva chegou com a decisão tomada. Alegou que tem identidade com o São Paulo (foi volante formado na base do clube) e nem chegamos a falar sobre questão salarial para tentar cobrir valores. A partir deste momento, começamos a pensar em outra alternativa", explicou.

De acordo com Gustavo, Doriva entrou em contato por volta das 13h pedindo para conversar. No encontro, apresentou a proposta são-paulina e, de pronto, a rescisão foi combinada porque não havia multa por quebra de acordo. O treinador chegou a ir ao CT do Jardim Eulina, mas não comandou o trabalho na reapresentação do elenco.

Teve uma conversa rápida com os jogadores, fez as despedidas e seguiu para São Paulo, onde tinha reunião agendada para as 17h em seu novo clube. Na saída, Doriva entrou no carro e, de vidros fechados, se recusou a falar com os jornalistas presentes no local.

Sem pressa

A Macaca vai decidir "sem pressa" o substituto. "Vamos conversar com calma. O certo é que precisa ser um profissional que tenha a mesma linha de conduta do Guto e do Doriva", disse o gerente de futebol.

Se for preciso, a diretoria garante que Felipe Moreira irá comandar o time no jogo com o Palmeiras, quarta-feira, em São Paulo. "Neste primeiro momento, pedimos todo apoio ao Felipe Moreira, que está pronto e preparado para assumir a responsabilidade", garantiu Gustavo.

Escrito por:

Paulo Santana