Publicado 13 de Outubro de 2015 - 12h12

Por Carlos Rodrigues

Dirigentes da Portuguesa relatam ao árbitro Vinícius Gonçalves Dias Araújo que foram agredidos por torcedores do Guarani no camarote em que se encontravam

Elcio Alves/AAN

Dirigentes da Portuguesa relatam ao árbitro Vinícius Gonçalves Dias Araújo que foram agredidos por torcedores do Guarani no camarote em que se encontravam

O presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Caio Rocha, interditou, nesta quinta-feira (1), por tempo indeterminado, o Estádio Brinco de Ouro por conta dos episódios ocorridos no jogo contra a Portuguesa, pela 16ª rodada da Série C do Campeonato Brasileiro. Na ocasião, dirigentes da Lusa acusaram torcedores do Guarani de invadirem os camarotes destinados ao clube para os agredirem.

A partida, realizada no dia 14 de setembro, foi marcada por muitas polêmicas extracampo. Antes de a bola rolar, o clube da capital encontrou o vestiário dos visitantes sem energia e teve sua preparação para o jogo prejudicada. Depois, no intervalo, teriam ocorrido as supostas agressões. O Guarani, naquela oportunidade, não negou os atos praticados pela torcida, mas se defendeu argumentando que os dirigentes do clube adversário teriam começado o atrito ao atirarem copos de água em direção à arquibancada.

A súmula do árbitro Vinícius Gonçalves Dias Araújo, no entanto, prejudicou o Bugre perante ao Tribunal. Ele relatou que "fomos informados pelo supervisor da equipe da Portuguesa, Sr. Lucas Carvalho Magalhães e Sr. Elton Correia Primo, encarregado da fiscalização da Federação Paulista de Futebol, que, no intervalo da partida, torcedores do Guarani invadiram o camarote destinado aos dirigentes da Portuguesa e agrediram os mesmos. Não foram identificados estes torcedores" .

O Guarani disse ainda não ter sido notificado da decisão do STJD, por isso não se pronunciou. A curto prazo, a pena imposta não traz maiores prejuízos ao clube pois, por conta da eliminação na Série C, a equipe não joga mais em Campinas em 2016. O problema é que o caso ainda será julgado por uma das Comissões Disciplinares em data a ser definida. E, dependendo da pena imposta, o clube corre o risco de perder mandos de campo no ano que vem ou ter que atuar no Brinco de Ouro com portões fechados.

DEFINIÇÕES

O Guarani dá início, nesta sexta-feira (2), às definições quanto ao elenco para o ano que vem. O diretor de futebol Waldir Lins concederá entrevista coletiva pela manhã e a expectativa é de que o clube anuncie as primeiras dispensas. Jogadores que vinham sendo pouco aproveitados, como o zagueiro Jonas, o lateral-esquerdo Bruno Pacheco, os volantes Johnnattan e Serginho Catarinense e o meia Erik Felipe devem ser os primeiros a serem desligados.

Escrito por:

Carlos Rodrigues