Publicado 13 de Outubro de 2015 - 21h17

Unidade da Fundação Casa, antiga Febem, no bairro San Martin, em Campinas

Rodrigo Zanotto/Especial para AAN

Unidade da Fundação Casa, antiga Febem, no bairro San Martin, em Campinas

Menos de 20 horas após uma rebelião, os menores da Fundação Casa, no bairro San Martin, em Campinas, voltaram a causar tumulto na unidade, na tarde desta terça-feira (13). O motim foi contido logo no início, mesmo assim funcionários e internos ficaram feridos. Os agentes sofreram agressões no rosto.

A confusão aconteceu por volta das 15h, quando dois adolescentes se desentenderam e deram início às agressões. Logo depois outros internos começaram a participar da briga. Para que a situação não saísse do controle, os funcionários da fundação precisaram intervir e conseguiram terminar com o tumulto.

A direção da unidade chamou a Polícia Militar para dar apoio externo e garantir que nenhum interno fugisse.

Dos 64 internos, 32 participaram da confusão, segundo a Secretaria de Administração Penitenciária. Os menores envolvidos na briga passarão por uma Comissão de Avaliação Disciplinar (CAD), que irá analisar as sanções a serem aplicadas.

O Judiciário e os familiares dos internos foram informados da ocorrência. A Corregedoria Geral da Fundação Casa abrirá uma sindicância para apurar o movimento de indisciplina ocorrido nesta terça.

Outra sindicância foi aberta para apurar a tentativa de fuga frustrada dos menores com apoio externo ocorrida na noite da última segunda-feira (12) no mesmo centro socioeducativo.

.

Na ocasião, dois suspeitos pularam o muro do centro na tentativa de iniciar uma fuga por volta das 21h30. A PM foi acionada e conseguiu deter um deles, que chegou a pular os muros. O outro permanece foragido.

A rebelião, segundo a polícia, começou após uma discussão entre internos, que fizeram seis funcionários como reféns.

Viaturas da PM, do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e dos Bombeiros foram mobilizadas e permaneceram do lado de fora da unidade. A intervenção policial dentro do prédio, no entanto, não chegou a ser necessária. A rendição foi negociada após a PM ser acionada.