Publicado 12 de Outubro de 2015 - 18h31

Por Suzamara Santos

liquido

ISTOCK

liquido

liquido

Virando o disco aqui, outro dia assisti ao vídeo We All Love Beer, que mostra cenas de bar em que mulheres pedem cerveja e o garçom, acostumado a associar a bebida ao público masculino, invariavelmente, troca os copos e entrega o pedido ao acompanhante. A ideia comunga com a constatação de que não há nada mais antiquado e careta do que as propagandas machistas de cerveja. Um exemplo recente é a Verão, gravada numa praia (que original!) e protagonizada por curvelínia bailarina do Faustão. A moça “vai e vem” para deleite dos rapazes.

Na real, o que mais me chama a atenção nesta campanha não é exatamente o machismo e a exploração do corpo feminino, pois isso não é novidade, mas a pouca indignação com a representação masculina. Nenhum homem se incomoda em ser retratado de forma tão... tão... tão rasteira? Imagino que os homens que apreciam cerveja são um pouco mais interessantes do que os babacas mostrados nos comerciais, não? Mas o festival de mau gosto começa a dar sinais de arrefecimento. E associo esses bons ventos ao profissionalismo com que a cerveja vem sendo tratada nos últimos anos no Brasil.

As brejas artesanais estão avançando fronteiras e atraindo um público “mais cevada, menos whey”, o que equivale dizer que a ex-loira gelada está ganhando status de cerveja para quem gosta mesmo de cerveja. Nesse movimento, as mulheres estão demonstrando que também têm sede e, cedo ou tarde, o mercado deverá incluí-las em suas metas. Para ilustrar, uma pesquisa da Euromonitor aponta que o número de mulheres que consomem bebida alcoólica fora de casa subiu de 54% para 65% entre 2011 e 2013.

Nem precisamos recorrer a números. Basta ir a algum evento que envolva boas cervejas para encontrar apreciadoras em número representativo e intenso envolvimento. Há uma notória evolução dos produtores e dos consumidores. Daí, já podemos sonhar com uma publicidade mais espirituosa e criativa, que olhe para o público feminino com as lentes corretas. A marca que apostar nisso, certamente, não vai se arrepender. O comercial com a participação do 007 Daniel Craig é um vento a favor. Coloca uma mocinha esperta como protagonista de uma cena de ação movimentada e divertida. Sem expor nenhum atributo físico, ela associa a marca a emoção e adrenalina. E olhe que 007 não é exatamente um modelo de bandeira feminista. Saúde! 

Bom programa

Olha aí, mais um evento para colocar na agenda. Nesta terça-feira começa o programa Confraria Decanter, com a curadoria do sommelier Diego Arrebola. E o tema não podia ser mais apropriado em tempos de crise: vinhos por até R$ 100. O encontro acontece na Enoteca Decanter de Campinas (Tokay), Alameda dos Vidoeiros, 455, Gramado Mall. Preço: R$ 140. Informações: (19) 3295-1994

Escrito por:

Suzamara Santos