Publicado 15 de Outubro de 2015 - 5h30

Hoje, 15 de outubro, é o Dia do Consumo Consciente, uma data instituída para celebrar e ao mesmo tempo alertar para o uso dos recursos disponíveis. Pensar em como cada um está se portando perante a situação atual, não só no Brasil, mas em todo mundo, vai além de uma data e deve ser meta para todos os 365 dias no ano. Na Escola Estadual Físico Sérgio Pereira Porto, no distrito de Barão Geraldo, em Campinas, não passa um dia sem que a natureza seja lembrada, tanto que foi criado neste ano, em parceria com o Parque D. Pedro Shopping, o projeto Água - Bem Precioso.

O objetivo da ação consiste, em primeiro lugar, identificar a presença da água no cotidiano e reconhecer sua importância como recurso natural indispensável à vida no planeta. Também pretende mostrar as diferentes etapas e processos que constituem o ciclo da água na natureza e avaliar repercussões das alterações nele promovidas pelas atividades desenvolvidas pelos seres humanos no seu cotidiano. E, por fim, despertar nas crianças a consciência para o consumo consciente de água, as diferentes possibilidades para seu uso e reúso no cotidiano de suas casas, além de aprenderem o cálculo da quantidade gasta por metro cúbico, associando esses conhecimentos ao conteúdo da disciplina de matemática.

Os conteúdos trabalhados, que focam em um primeiro momento na água, estão divididos em tópicos: “Onde encontramos a água na natureza?”, “Ciclo da água”, “Tratamento da água”, “Composição da água”, “Importância da água para o planeta”, “Falta da água”, “Dia Mundial da Água” e atualidades (notícias recentes relacionadas à água trazidas pelos alunos e trabalhadas em sala). Também é feita uma visita à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Parque D. Pedro Shopping para complementar o trabalho de sala e apresentada a peça Uli Luli e os Guardiões da Floresta.

A coordenadora pedagógica Maria de Lourdes Costa Cesar explica que os assuntos foram debatidos entre os alunos, que pesquisaram em casa e na escola sobre o tema gerador do projeto. As crianças foram associando a realidade na qual se encontram inseridas aos conteúdos abordados nos livros e desenvolvidos pelas professoras em sala. Para complementar essas informações, as crianças fizeram pesquisas sobre o tema e algumas notícias recentes relacionadas foram trazidas à sala para serem debatidas e refletidas pela turma. “Todos demonstraram muito interesse e comprometimento, não medindo esforços para que o projeto fosse bem desenvolvido para que as crianças se apropriassem de conhecimentos que muitas vezes o adulto julga ser muito complexo para elas”, explica Maria de Lourdes.

Para envolver os alunos de uma forma mais abrangente na questão ambiental, o planejamento pedagógico vem adequando o conteúdo, como fez na parte cultural, ocasião em que apresentou a história de Campinas aos pequenos. “Durante o passeio no Centro Histórico da cidade, em parceria com a Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), visitamos a garagem para mostrar como os ônibus são preservados e os cuidados para a manutenção dos mesmos. Vimos o uso da água e a preservação do solo, com a utilização de um filtro para que o óleo que possa vir a cair dos ônibus não vá para o subsolo, correndo o risco de contaminar o lençol freático”, aponta a coordenadora.

Outra parceria é com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que explicou durante a visita a importância do consumo consciente dos alimentos, pois esses necessitam de água para seu plantio e desenvolvimento, além da necessidade no seu preparo. “Assim, quando desperdiçamos alimentos, desperdiçamos água. Sem contar a quantidade de pessoas que não têm com que se alimentar em muitos lugares do planeta, inclusive perto delas”, diz a coordenadora.

O resultado de todo o empenho do corpo educativo da Sérgio Porto tem sido recompensador e superou as expectativas. “Tem sido gratificante saber que muitas crianças passaram a adotar atitudes mais conscientes em relação ao consumo de água no seu dia a dia, que muitas levam esses conhecimentos para sua vida familiar e o praticam. Acreditam que podem colaborar para a melhoria das condições de vida do planeta”, comemora.

Iniciativa começou a ganhar forma após a ECO-92

O embrião do projeto na Escola Estadual Físico Sérgio Pereira Porto surgiu após os resultados da Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente e o Desenvolvimento (ECO-92), documento denominado Agenda 21, que estabeleceu a importância dos países se comprometerem a refletir global e localmente sobre a forma como todos os setores da sociedade (governo, empresas e organizações não governamentais) poderiam colaborar no estudo de soluções para os problemas socioambientais. Instituiu também o dia 22 de março como o Dia Mundial da Água.

“Como cada país tem sua agenda, o governo do Estado de São Paulo instituiu que as escolas trabalhassem dentro do currículo a importância da preservação desse recurso hídrico tão importante para o planeta. A partir daí, as ideias foram sendo aprimoradas a cada ano”, conta a coordenadora pedagógica Maria de Lourdes Costa Cesar. Em um primeiro momento, foi feita uma reunião com os professores para que relacionassem o conteúdo das classes ao que se pretendia desenvolver em sala, além de estabelecer uma relação com o meio em que os alunos viviam. “As situações vivenciadas pela sociedade em geral na época, devido à seca que enfrentamos, e a necessidade de economizar água foi outro ponto. Aliado a isso, temos nossa parceria com o Parque D. Pedro Shopping, com o qual anualmente levamos nossos alunos para conhecer a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), bem como o sistema de reúso da água tratada e sua devolução parcial à natureza”, acrescenta a coordenadora.

De olho no hidrômetro

Ainda dentro dessa parceria, as crianças aprendem o que é, como funciona e para que serve o hidrômetro além de aprenderem sobre metros cúbicos, medida utilizada para aferir a quantidade de água consumida. Dessa forma, passam a ser mais participativas no consumo e a fiscalizar, em suas residências, a quantidade consumida, relacionando o volume gasto com o valor a ser pago. “Aprenderam também sobre o funcionamento do ar refrigerado no shopping, que funciona à base de água, conhecendo os bastidores de um local onde geralmente vão para se divertir e nem imaginam a estrutura gigantesca que se encontra por trás de todo esse aparato e a preocupação desse local em colaborar para a preservação do meio ambiente”, conta a coordenadora. (VT/AAN)