Publicado 13 de Outubro de 2015 - 5h30

A devoção da dona de casa Maria Aparecida de Oliveira começou ainda criança. Cresceu ouvindo da avó, Clarice, que Nossa Senhora Aparecida era sua madrinha e que a protegeria por toda vida. Onde vai, Cida, como é mais conhecida, carrega um “santinho” na carteira com Nossa Senhora impressa e mantém imagens em casa, ao lado da cama, no criado-mudo e na sala. “Ela é minha protetora, sou sua xará, e minha devoção só cresce a cada dia”, disse. Na procissão ontem de manhã, que reuniu cerca de 500 pessoas no Jardim Proença, em Campinas, a dona de casa estava lá, cantando o hino “Viva Mãe de Deus e Nossa”.

Carregando a cruz, bandeiras, flores e cantando, os fiéis e o arcebispo de Campinas, d. Airton José dos Santos, percorreram cerca de um quilômetro levando a imagem de Nossa Senhora Aparecida até a igreja que leva o nome da padroeira do Brasil. O pedreiro José Pedro Brasco, presente todos os anos na procissão de 12 de outubro, diz que é a fé que o move a caminhar. Este ano, desempregado, seu apelo foi para encontrar um trabalho, porque a situação da família já começa a ficar preocupante. “Nunca fiquei sem emprego. Mas agora já tem três meses que estou sem salário e não está fácil”, afirmou.

A devoção a Nossa Senhora Aparecida teve início em 1717, quando pescadores encontraram no Rio Paraíba uma velha e escurecida imagem de Nossa Senhora da Conceição. Inicialmente, os pescadores encontraram no rio o tronco e, depois, a cabeça. Até 1745, a imagem ficou em um oratório particular. Em 1888 foi levada ao santuário de Aparecida, sendo em 1930 declarada padroeira do Brasil.

Existe uma versão na qual a santa era uma menina escrava e preta que, como os demais escravos, era muito maltratada pelos fazendeiros. Um dia, a colocaram numa barrica, onde foram enfiados muitos pregos. A barrica, fechada, foi empurrada de cima da montanha e caiu na água. Neste momento, “a menina se santificou”. Os pescadores acharam pedaços do corpo, que deixados na grama, se juntaram e ela se tornou viva. Nesta versão, Nossa Senhora Aparecida não é, ao menos aparentemente, relacionada com Maria.

Em Campinas, todas as paróquias celebraram missas em comemoração ao dia da padroeira do Brasil e, no distrito de Sousas, a comunidade Nossa Senhora Aparecida realizou procissão, missa e no final da tarde houve a bênção dos carros que participaram da carreata.

Santuário Nacional

Em Aparecida, no Vale do Paraíba, o Santuário Nacional que homenageia a santa amanheceu lotado de fiéis que foram à cidade comemorar o dia dedicado à Nossa Senhora. Logo ao amanhecer a fila para ver a santa estava demorando pouco mais de meia hora.

Na primeira e segunda missa do dia, houve lotação total no interior da Basílica — cerca de 30 mil pessoas acompanharam as celebrações. Às 9h, aconteceu a missa solene, presidida por d. Murilo Sebastião Krieger, arcebispo de Salvador (BA). No final de semana, o movimento de fiéis foi de 140 mil pessoas. Os hotéis próximos à Basílica ficaram lotados.