Publicado 15 de Outubro de 2015 - 5h30

O cumprimento efusivo dos jogadores da Ponte Preta no meio do campo depois do apito final, ontem à noite, no Allianz Parque, sinalizou mais do que a vitória diante de outro gigante do Campeonato Brasileiro. O placar de 1 a 0 sobre o Palmeiras serviu para levar a Macaca aos 44 pontos na 9 posição, bem próxima do "número mágico" que representará sua permanência na elite do futebol nacional em 2016.

Agora, de acordo com projeções do clube, o time precisa de apenas dois pontos em oito rodadas para se garantir. E essa meta já pode ser confirmada domingo, no duelo com o Coritiba, às 11h, no Moisés Lucarelli. Fernando Bob, em cobrança de pênalti, garantiu a 5 vitória alvinegra nas últimas seis rodadas.

O jogo, que marcou a estreia de Felipe Moreira como técnico interino, começou bom para a Ponte, que pressionou desde os início. E, em sua primeira chance real, foi logo marcando. Felipe Azevedo dividiu com os zagueiros e levou a melhor diante de Lucas. Na tentativa do cruzamento, a bola acertou a mão direita de Victor Ramos e o juiz anotou pênalti. Fernando Bob bateu com categoria, no canto, e fez 1 a 0, aos 27'.

Em desvantagem, o técnico Marcelo Oliveira mexeu no time tirando um jogador do meio para a entrada de mais um atacante. Aí, o Verdão teve a chance do empate, aos 37', na bola que veio pelo alto. Marcelo Lomba desviou parcialmente. Na sequência, o goleiro da Ponte fez uma defesa arrojada por baixo, na dividida com Rafael Marques.

O Palmeiras melhorou, mas a Ponte continuou se segurando bem para encerrar o primeiro tempo em vantagem. No segundo, o time da casa se lançou ao ataque a Macaca recuou. Mesmo assim, o equilíbrio não se alterou. Aos 20', Allione começou lance pela direita e a bola chegou até Gabriel Jesus, que tentou acertar o canto. Lomba se esticou e jogou para escanteio.

A Ponte, que passou a jogar nos contragolpes, tinha Cristian como principal válvula de escape da defesa para o ataque. O único que destoou foi o experiente Borges, que não conseguia encontrar espaço no ataque.

Toda recuada, a Ponte encontrou uma jogada de perigo aos 38' na bola roubada de Diego Oliveira. Ele tomou de João Paulo, arrancou em velocidade e finalizou da entrada da área. A bola foi para fora raspando a trave.

O Palmeiras também assustava, como numa bicicleta de Rafael Marques aos 45’ que passou perto. Um minuto depois, novamente Diego Oliveira perdeu boa oportunidade. Optou por tentar um pênalti que não existiu. Mas, no fim, a festa foi mesmo pontepretana.

[REMISSAO]n nLEIA MAIS NA PÁGINA D2

[/REMISSAO]

PALMEIRAS

F. Prass; Lucas, Victor Ramos, Vitor Hugo e João Paulo; Thiago Santos, Andrei Girotto (G. Jesus, 34'/1), Zé Roberto e Dudu (Allione, 18'/2); Rafael Marques e Alecsandro (Cristaldo, 9'/2). Técnico: Marcelo Oliveira.