Publicado 12 de Outubro de 2015 - 5h30

Felipe Moreira faz na quarta-feira, contra o Palmeiras, no Allianz Parque, seu primeiro jogo no comando da Ponte Preta com uma responsabilidade dupla. Além da missão de ajudar a equipe a manter os bons resultados e o nível de atuações das últimas rodadas do Campeonato Brasileiro, o escolhido para dirigir o time após a ida de Doriva para o São Paulo terá também o desafio de superar um retrospecto negativo. Nenhum dos últimos quatro técnicos que ficaram à frente da Macaca de forma interina conseguiram vencer. O levantamento não conta as vezes em que o técnico estava suspenso e foi substituído por seu auxiliar ou quando não viajou, como aconteceu em partidas da Copa do Brasil.

Esse “tabu” começou em 2010, quando Carlos Gallo assumiu a equipe de forma provisória após a saída de Sérgio Guedes. Ele dirigiu a Ponte em quatro partidas, e teve dois empates (2x2 e 0x0 contra o Botafogo-SP pelo Torneio do Interior do Campeonato Paulista) e derrotas para Mirassol (3x1) e Mogi Mirim (1x0). Na sequência, Jorginho Cantinflas chegou para a disputa do Brasileiro.

Após a demissão de Jorginho e antes da vinda de Givanildo Oliveira, Flamarion Nunes teve uma oportunidade de comandar a Macaca. Em jogo da Série B de 2010, a Ponte ficou no empate em 2 a 2, no Moisés Lucarelli, com o Vila Nova-GO.

O ex-ponta Zé Sérgio também sofreu com esse jejum. Na condição de técnico do sub-20, ele foi aproveitado duas vezes para dirigir a equipe profissional, primeiro após a ida de Gilson Kleina para o Palmeiras, durante o Brasileiro de 2012, quando dirigiu a equipe no empate sem gols com o Vasco e depois da demissão de Guto Ferreira, no ano seguinte. Na oportunidade, derrota para o Botafogo por 2 a 0.

O último interino antes de Felipe Moreira foi Parraga. Ele esteve à frente do time em dois jogos contra o Vasco após a saída de Dado Cavalcanti, na temporada passada. No primeiro, pela Copa do Brasil, a Macaca perdeu por 2 a 0. Três dias depois, na Série B, empate sem gols.

Para quebrar essa sequência, o novo interino — que tem chances de permanecer até o final do Brasileiro — conta com a confiança dos jogadores. “Hoje existem muitos técnicos novos surgindo e o Felipe é mais um deles. Ele vai ter a oportunidade de comandar o time da maneira dele, mas deve manter a formação bem parecida com o que vinha sendo feito”, destaca o zagueiro Fábio Ferreira que, contra o Palmeiras, terá a chance de iniciar o jogo entre os titulares no lugar de Ferron, suspenso. (Carlos Rodrigues/AAN)