Publicado 10 de Outubro de 2015 - 5h30

A Mercedes vem de duas corridas completamente diferentes. Em Cingapura, teve uma queda brusca de rendimento e não conseguiu mais do que o quinto lugar no grid e o quarto na corrida, sendo batida por Ferrari e Red Bull. Uma semana depois, foi dominante no Japão, conquistando a dobradinha. Neste final de semana, na Rússia, o time terá de enfrentar novamente seu fantasma de Marina Bay: os pneus macios e supermacios.

"Garantir que o que aconteceu em Cingapura não se repita é um dos objetivos deste final de semana", disse Nico Rosberg, vice-líder a 41 pontos do companheiro Lewis Hamilton. "Foi um grande trabalho da equipe a maneira rápida como nos recuperamos, mas a Ferrari está se aproximando muito rápido", salientou.

Esta será a primeira vez que os pneus mais macios serão utilizados em Sochi. Mesmo que o bom desempenho do Japão dê confiança a Rosberg de que os problemas de Cingapura não voltarão, o alemão reconhece que espera ver a Ferrari mais próxima do que há duas semanas. "É uma corrida muito única, então será um desafio particular e mostramos fraquezas grandes com os pneus supermacios e macios. Mas aqui não é Cingapura e aprendemos com o que aconteceu lá". Do lado da Ferrari, no entanto, Sebastian Vettel tratou de diminuir as expectativas. "Acho que será bem diferente. Obviamente é uma pista completamente distinta e, além dos compostos, não vejo nenhuma semelhança com Cingapura. Mas se o resultado for o mesmo não vou me importar", ironizou.

Os treinos livres não ajudaram a elucidar a questão. A primeira sessão foi atrapalhada pelo derramamento de diesel na pista e a segunda, pela chuva. "Não tem como eles garantirem que não vai acontecer a mesma coisa, até porque não andamos com esses pneus", apontou Hamilton. Equipes e pilotos terão apenas uma hora de treino livre, antes da classificação, para acertar seus carros. O GP da Rússia terá a definição do grid às 9h de hoje.

Alonso

Fernando Alonso comemora neste fim de semana a marca de 250 GPs, mas não deverá ter outros motivos para celebrar. Afinal, além da falta de competitividade da McLaren, ele foi punido com a perda de 35 posições no grid e largará em último lugar. A punição é por causa da troca de vários componentes do motor do carro. (Da Agência Total Race)