Publicado 10 de Outubro de 2015 - 18h20

A atriz Candice Patton vive a personagem Iris em 'The Flash'

FABIO TRINDADE/ AAN

A atriz Candice Patton vive a personagem Iris em 'The Flash'

Os figurões de Hollywood estão incomodados com os super-heróis. Cineastas como Steven Spielberg ('Jurassic Park') e William Friedkin ('O Exorcista'), por exemplo, soltaram o verbo recentemente sobre a dominação do gênero — não apenas em bilheteria, mas na cultura de forma geral. Em contrapartida, afirmam categoricamente que “a moda” é passageira, citando exemplos da própria indústria do cinema, como o declínio dos filmes western décadas atrás. Eles, claro, entendem do assunto como ninguém, mas o fato é que, por enquanto, vivemos profundamente na era desses seres com poderes sobre-humanos prontos para salvar o mundo a qualquer custo — na telona, na TV ou mesmo em HQ. E, honestamente, tudo está indo de vento em popa.

O homem mais rápido do mundo está aí pra não deixar dúvidas. A primeira temporada de 'The Flash' se tornou a série mais vista da história do canal CW (que exibe produções como 'Arrow' e 'Supernatural'), com média de 6 milhões de espectadores, e, consequentemente, virou sucesso absoluto mundo afora. O personagem da DC Comics vivido pelo ator Grant Gustin, exatamente por isso, cada vez mais é apontado nas redes sociais e fóruns sobre o assunto como o super-herói mais querido do momento, como o próprio ator admitiu à Serí(e)ssima. “Sempre que eu tenho encontros com o público, em qualquer lugar, as pessoas fazem questão de dizer que, mais do que fãs, acham o Flash o melhor. E até colegas de outros shows já me falaram isso”, contou o jovem de 25 anos durante a visita da coluna ao set de filmagens da série, em Vancouver, no Canadá.

O ator, claro, agradece o reconhecimento, mas, por outro lado, faz uma confissão curiosa: “O meu herói preferido, para falar a verdade, é o Superman”, disse, aos risos. Tudo bem, Grant, nós entendemos. Afinal, como os fãs de quadrinhos sabem, o único capaz de competir (não necessariamente ganhar) com o Flash é o Homem de Aço (sem contar os outros atributos do kryptoniano Kal-L). Portanto, deixemos o super-herói ter seu ídolo também.

Aliás, Superman seria uma excelente ajuda para Barry Allen na segunda temporada de 'The Flash', que estreia nesta quinta-feira (15), às 22h30, na Warner. Com os acontecimentos do season finale passado, o novo ano em Central City terá um tom bem diferente, mais desafiador, já que, após retornar de sua viagem no tempo, o velocista escarlate criou uma singularidade que abriu o multiverso. E, a partir disso, novos meta-humanos vão assombrar o nosso herói, entre eles o aguardado Zoom — principal Flash Reverso (voz de Tony Todd).

“Nós nem sabemos o que vamos enfrentar ainda direito. Só que tanto o Flash quanto a equipe do S.T.A.R. Labs vão estarão bem mais preparados e confiantes para lidar com riscos mais graves e dramas mais pesados”, afirma. “Muita coisa aconteceu no último ano e Barry, por conta disso, encontra-se em um lugar diferente, mais amadurecido. Tanto que ele, agora, consegue lidar com as situações de forma mais leve, fazendo piadas, se aproximando muito mais do Barry Allen dos quadrinhos que a gente conhece. Será um ano bem mais divertido”, completa o ator.

Se divertir, aliás, é prioridade para Grant. Sempre com um sorriso no rosto — e apontado pelos colegas de elenco como o cara mais bem-humorado e profissional do set —, o rapaz lembra que viver um personagem tão adorado, como era de se esperar, traz grandes desafios, como a pressão para manter o legado sem decepcionar os fãs. “O grande desafio é saber lidar com as cobranças, dar o seu melhor sem deixar de curtir o momento. De alguma forma, eu sinto que tenho conseguido esse balanço, porque se eu tivesse como foco apenas a pressão, eu já teria desmoronado. E, no fundo, eu tenho me divertido muito.”

Painel da delegacia de Central City, instalada no set da série 'The Flash'

Por dentro de Central City

Qualquer fã de 'The Flash' já notou o enorme painel dourado adornado com esculturas de deuses gregos que ilustra um dos cenários mais importantes da série, a delegacia. O que poucos sabem, porém, é que aquelas figuras, na verdade, mais do que decorar o ambiente, representam os heróis da Liga da Justiça. Zeus, ao centro, por exemplo, é o Superman, e à esquerda, a deusa Hera, nada mais é que a representação da Mulher-Maravilha. Green Arrow, Batman, Aquaman, Lanterna Verde e, claro, Flash completam a obra.

Easter eggs para os fãs da DC Comics em 'The Flash' que foram entregues de bandeja pelo criador da obra, o diretor de arte Tyler Harron, para os jornalistas que visitaram o set da série, em Vancouver, no Canadá. E esse é o barato de poder conhecer os bastidores dessas produções: poder contar e mostrar aquilo que talvez só pela TV passasse despercebido. Para fazer o belo painel, explicou Harron, foram necessários três dias e três pessoas só na construção, além de mais um dia inteiro para a pintura.

Com exceção dos elevadores falsos da delegacia, que ficam ao lado do painel, todo o resto do ambiente passa facilmente por um departamento real. Desde as mesas dos detetives até a sala do chefe, passando por arquivos, canetas, blocos e fichas de criminosos espalhadas pelo lugar (com bandidos do passado verdadeiros nelas), nenhum detalhe denuncia que se trata de salas fictícias, primordial para dar veracidade à série. Mais do que isso, prova que nem sempre os sets funcionam como um teatro, com três lados montados e o outro separado para as câmeras.

Mas não é apenas a delegacia que te coloca literalmente dentro de Central City. Em 'The Flash', todos os ambientes são completos, permitindo que as câmeras passeiem por todos os lados, com cenas em 360º. O café CC Jitters, onde Iris e Barry adoram se encontrar, é tão perfeito que os sacos de café que decoram o local são reais, deixando o ambiente com um cheiro delicioso. Até cardápio de produtos com preço há ali, sem contar os doces cenográficos, tão perfeitos que mesmo tocando ainda dá vontade de comer.

Ao lado deste set está o laboratório de Barry, onde ele é atingido pelo raio. Produtos químicos, papéis com anotações, um mapa de Central City, tudo é milimetricamente pensado para dar o clima ideal para um policial forense. A cadeira de Barry, só para você saber, é extremamente confortável. E o último ambiente deste galpão é a casa do protagonista, um pouco apertada, mas bastante aconchegante. Detalhe: os sapatos de Barry e um guarda-chuva estavam ao lado da porta.

O jornalista viajou a convite da Warner Channel