Publicado 16 de Outubro de 2015 - 5h00


Janaína Ribeiro/ Especial para a ANN

Colunista interino: Luís Manzoli 

Acompanhados do deputado federal Carlos Sampaio (PSDB), líder da oposição na Câmara, Hélio Bicudo e José Reale Jr. protocolaram ontem, em um cartório em São Paulo, mais um pedido de impeachment contra a presidente Dilma. A novidade é que ele inclui as “pedaladas fiscais” adotadas neste ano. A análise do pedido depende da situação do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB), que também está ameaçado. Entre ele e Dilma, resta saber quem agirá primeiro.

Não fica um, meu irmão

Provando que tudo sempre pode ficar pior, o Ministério Público Federal instaurou um inquérito para investigar os ex-presidentes Lula, Fernando Henrique Cardoso, Itamar Franco e Fernando Collor por “possível apropriação indevida de bens públicos”. Quando deixaram o Palácio do Planalto, eles teriam levaram para casa objetos entregues por Estados estrangeiros em encontros diplomáticos que pertencem ao Estado brasileiro.

Frase

Alguém conversa com juiz sobre audiência que vai dar? Governo não veio me procurar para discutir pedido de impeachment. (Do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), talvez confundindo seu cargo, ao negar suposto acordo com o governo para manter seu mandato).

Pressão na internet

O PSOL fará uma campanha nas redes sociais para divulgar os e-mails dos 21 membros titulares e suplentes do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados para que o colegiado dê andamento ao processo disciplinar por quebra de decoro parlamentar contra Eduardo Cunha.

Pelo telefone

Também divulgarão o telefone da Ouvidoria da Casa (0800-619619) para que a sociedade cobre uma ação efetiva do conselho de Ética no processo que pode culminar com um eventual pedido de cassação do peemedebista.

Exageros

Protestos são válidos, mas há que se evitar exageros. O diretor-executivo da Secretaria de Comunicação Social da Câmara dos Deputados, Claudio Lessa, mantém na internet um blog pessoal em que publica piadas anti-governo e em que faz uma enquete sobre o que deve ser feito para o Brasil sair da crise. Entre as opções, há a sugestão de que Dilma Rousseff cometa suicídio...

No Vale do Silício 1

O deputado federal por Campinas Luiz Lauro Filho (PSB) desembarcou ontem no Brasil após uma viagem de dois dias ao Vale do Silício, nos EUA. Junto com outros três deputados da Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara, ele conheceu a Universidade de Stanford e as sedes do Facebook e do Google, além dos diretores do Instagram e do WhatsApp.

No Vale do Silício 2

O deputado se reuniu durante 40 minutos com Mark Zuckerberg, CEO do Facebook. O objetivo da viagem foi conhecer o projeto da empresa de levar a internet a lugares sem acesso à rede e obter informações sobre gestão pública, principalmente sobre Saúde e Segurança, na Universidade de Stanford.

Metas

O prefeito de Hortolândia, Antonio Meira (PT), assina hoje um termo de adesão às metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) para o desenvolvimento do município. A erradicação da fome é a primeira meta a ser cumprida pela cidade, de uma série de oito obrigações, até o fim do ano.

Voltando atrás

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou ontem uma comissão para rever artigos que classificam atos sigilosos. Ontem, também foram revogadas resoluções que, segundo a nota, foram “assinadas por secretários” e que impuseram o sigilo a informações do Estado. A Comissão Estadual de Acesso à Informação, ligada ao Arquivo Público do Estado, será responsável por analisar o teor dos documentos. A atitude é uma resposta à péssima repercussão da imposição de segredo sobre dados do Metrô, da Sabesp e da Polícia Militar.

COLABOROU GUSTAVO ABDEL/AAN