Publicado 15 de Outubro de 2015 - 17h10

Por Paulo Campos

Schwab sabe que este fato está longe de ser o topo da lista de preocupações de saúde pública

Divulgação

Schwab sabe que este fato está longe de ser o topo da lista de preocupações de saúde pública

O Dr. Kellogg Schwab, diretor do Instituto da Água da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, afirma que não é aconselhável deixar um copo ao lado da cama para beber caso sinta sede. Em entrevista à revista Time, ele diz que assim que você toma um gole, seus lábios e boca introduzem microrganismos que, combinados com  temperatura ambiente e poeira, tornam-se um local perfeito para a proliferação de bactérias.

"Se você já bebeu um gole de água, da cabeceira de sua cama ou em sua mesa e se perguntou por que o gosto é engraçado, saiba que isso é porque depois de cerca de 12 horas o dióxido de carbono do ar interage com o H2O no seu copo", disse Schwab que ainda alerta que utilizar o mesmo recipiente várias vezes ao longo do dia aumenta o risco de exposição a algumas bactérias mais hostis, especialmente se mais de uma pessoa dividiu.

Schwab sabe que este fato está longe de ser o topo da lista de preocupações de saúde pública, mas assegura que há diversas bactérias causadoras de doenças que podem estar no vidro se o mesmo for lavado com as mãos sujas.

Mas o que dizer sobre a garrafa de água de plástico esquecida no chão do seu carro? Segundo o especialista, calor e plástico são uma combinação ruim e os tipos de plástico utilizados não se destinam a ser lavados ou reabastecidos, para usá-los uma vez e reciclá-los. O certo seria utilizar embalagens reutilizáveis feitas de metal ou vidro.

Para o cientista, o ideia é largar de preguiça, levantar da cama e ir pegar água fresquinha na cozinha. Só cuidado para não assaltar a geladeira. 

Escrito por:

Paulo Campos