Publicado 10 de Outubro de 2015 - 15h14

Por France Press

Ao menos 86 pessoas morreram neste sábado no atentado mais grave da histórica turca, lançado provavelmente por dois suicidas contra uma manifestação pacifista da oposição pró-curda, a três semanas das eleições legislativas antecipadas.

Às 10h04 locais (04h04 de Brasília) duas fortes explosões atingiram os arredores da estação de trem central de Ancara. Ali deveria ser realizada uma manifestação opositora em favor da paz, para denunciar a retomada há três meses do conflito entre as forças turcas e os rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

A esta hora já estavam reunidas no local as delegações de sindicatos e partidos políticos de esquerda, entre eles o principal grupo pró-curdo do país, o HDP, que chegaram de toda a Turquia para participar da manifestação.

"Ouvimos uma explosão forte e outra pequena. Ocorreu um grande movimento de pânico, e depois vimos cadáveres na esplanada da estação", declarou à AFP Ahmet Onen, um aposentado de 52 anos.

"Existem provas claras que demonstram que este ataque foi lançado por dois suicidas", afirmou à imprensa o primeiro-ministro turco, Ahmed Davutoglu, que também anunciou três dias de luto nacional pela tragédia.

Posteriormente, Davutoglu afirmou que as autoridades ainda não receberam nenhuma reivindicação do atentado. No entanto, apontou três movimentos que, em sua opinião, podem ser possíveis autores: o PKK, o Estado Islâmico (EI) e o partido Frente Revolucionária de Libertação do Povo (DHKP-C), de extrema-esquerda.

"Estamos diante de um massacre terrível. Foi cometido um ataque bárbaro", declarou o copresidente do HDP (Partido Democrático dos Povos, pró-curdo) Selahattin Demirtas, acrescentando: "Estamos diante de um Estado assassino que se transformou em uma máfia".

Em uma declaração, o presidente islamita-conservador Recep Tayyip Erdogan denunciou "este atentado abjeto contra nossa unidade e a paz de nosso país", e prometeu "a resposta mais forte" contra seus autores.

O ataque ocorreu a três semanas das eleições legislativas antecipadas, previstas para o dia 1º de novembro.

No local das explosões foram vistas cenas de caos. As ambulâncias recolhiam os feridos e a polícia isolou a região, constatou a AFP.

Duas horas após as explosões, os agentes precisaram disparar para o ar para dispersar os manifestantes, revoltados com a morte de seus companheiros nas explosões, e que gritavam "policiais assassinos", comprovou a AFP.

"Um massacre terrível"

A rede de informação NTV divulgou imagens de vídeo de um cinegrafista amador nas quais os manifestantes aparecem cantando e dançando de mãos dadas, e que subitamente caem no chão devido à potência da explosão.

"Vi um homem com a perna arrancada, caído no chão. Também vi uma mão seccionada sobre o asfalto", disse outra testemunha, Sahin Bulut, membro da Associação de Engenheiros de Istambul.

"É como em Suruç", acrescentou.

No dia 20 de julho, um atentado suicida atribuído ao grupo Estado Islâmico (EI) matou 32 militantes da causa curda na cidade turca de Suruç, próxima da fronteira síria.

Após o atentado de Suruç se intensificaram os confrontos entre o exército turco e os rebeldes do PKK, que lançaram pelos ares um frágil cessar-fogo em vigor desde março de 2013.

Mais de 150 policiais ou soldados morreram desde então em atentados atribuídos ao PKK. As autoridades turcas afirmam, por sua vez, que eliminaram mais de 2.000 membros do grupo rebelde em suas operações de represália.

Sem mencionar o atentado, o PKK anunciou neste sábado a suspensão de suas atividades antes das eleições.

"Nosso movimento decretou um período de inatividade de nossas forças de guerrilha, salvo se nossos militantes e combatentes forem atacados", anunciou em um comunicado a União de Comunidades do Curdistão (KCK), que reúne todos os movimentos rebeldes.

"Não faremos nada que possa impedir eleições justas", acrescentou o movimento.

Diante da tensão do clima político, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, convocou a Turquia a permanecer unida diante dos terroristas.

A Casa Branca denunciou através de seu porta-voz do Conselho de Segurança Nacional (NSC), Ned Price, um "atentado horrível" e prometeu o apoio dos Estados Unidos à luta contra "o flagelo do terrorismo".

Já o presidente francês, François Hollande, condenou um ato odioso, e a chanceler alemã, Angela Merkel, criticou um ataque contra "os direitos cívicos, a democracia e a paz".

Nas legislativas de 7 de junho, o partido de Erdogan perdeu a maioria absoluta que tinha no Parlamento há 13 anos, em parte graças ao bom resultado do HDP.

Depois do fracasso das negociações para formar um governo de coalizão, Erdogan convocou eleições antecipadas nas quais espera recuperar a iniciativa política.

Escrito por:

France Press