Publicado 10 de Setembro de 2015 - 16h01

Por Delminda Aparecida Medeiros

Sinfônica faz nono concerto da temporada

Delma Medeiros

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

Tendo como solista convidada a mezzo-soprano clilena Costanza Dörr e com regência do diretor artístico e maestro titular Victor Hugo Toro, a Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas (OSMC) apresenta o nono concerto oficial da temporada 2015, neste fim de semana no Teatro Municipal José de Castro Mendes. No programa, as peças Clair de Lune, da Suíte Bergamasque, com orquestração de André Caplet; e Petite Suíte, ambas do compositor Claude Debussy (1862-1918) e Sinfonia nº 4, de Gustav Mahler (1860-1911). “Este concerto apresenta dois dos maiores compositores do século 20, que definiram a maneira de compor do período”, afirma o maestro Toro.

A Suíte Bergamasque foi publicada em 1905, com quatro movimentos. De acordo com a musicóloga Lenita Nogueira, um desses movimentos era Clair de Lune que, por ter se destacado tanto tornou-se uma peça independente e passou a ser executada isoladamente. Como o nome sugere, a obra descreve um luar prateado e o compositor explora harmonias que oscilam entre "um luar belo e triste".

O maestro explica que as duas peças de Debussy foram compostas inicialmente para piano e orquestradas posteriormente. A Petite Suíte estreou em 1889, tendo o próprio Debussy ao piano, ao lado de Jacques Durant. Uma estrutura em quatro movimentos, para divertir e entreter.

Na segunda parte do programa, a Orquestra retoma a proposta de interpretar todas as sinfonias de Mahler. “A Sinfonia nº 4 foi interpretada pela Sinfônica de Campinas apenas em duas ocasiões. A peça retrata os conflitos do compositor sobre vida e morte, mas resolve essa questão de forma pacífica, com a chegada ao paraíso. E a participação da Constanza Dörr lhe empresta mais encanto. É uma peça bonita, charmosa”, avalia o maestro. A peça foi escrita entre 1899 e 1901 e revisada entre 1901 e 1910. Recebeu críticas no início, mas uma frase do regente Bruno Walter, que também foi assistente de Mahler, resume a obra: "A abertura dos portões do paraíso!".

Constanza Dörr estudou canto na Faculdade de Arte da Universidade do Chile e depois no Conservatório de Paris e no Conservatório Felix Mendelssohn Bartholdy de Leipzig, Alemanha. Tem se apresentado em diversas cidades da Europa e Américas, em montagens de óperas. Também participa de recitais e concertos de música de câmara com o Quarteto Artemis, Quarteto Sur, New Chamber Orchestra, Ensemble XXI e Orquestra de Câmara do Chile.

Agende-se

O quê: Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas

Quando: Hoje (12), às 20; e amanhã, às 11h

Onde: Teatro Castro Mendes (Praça Correa de Lemos, s/nº, Vila Industrial, fone: 3272-9359)

Quanto: R$ 30,00, R$ 10,00 (professores da rede pública e pessoas com deficiência e mobilidade reduzida) e R$ 5,00 (estudantes da rede pública)

Escrito por:

Delminda Aparecida Medeiros