Publicado 10 de Setembro de 2015 - 17h38

Por Maria Teresa Costa

Maria Teresa Costa

Da Agência Anhanguera

[email protected]

As represas da região de Campinas se recuperaram com as chuvas de segunda e terça-feiras e conseguirão garantir o abastecimento com tranquilidade até o final do ano desde que a população continue economizando, segundo as empresas de abastecimento. Em Itu, Nova Odessa, Valinhos, Vinhedo, Santa Bárbara d´Oeste, os reservatórios estão operando próximos a 100% da capacidade, mas somente Valinhos continua mantendo o rodízio no fornecimento, porque depende ainda da conclusão da Estação de Tratamento de Água II para poder tratar toda a água que a cidade necessita.

Os mananciais internos de Valinhos, formados por um conjunto de quatro barragens, estão cheios. A chuva de 79 milímetros, segundo o Departamento de Águas e Esgoto de Valinhos (Daev) elevou o nível de armazenamento da represa Figueiras de 86% antes da chuva para 99%, a Moinho Velho saiu de 67% para 100%, enquanto a Santa de Cuiabanos sair de 70% para 97% e o centenário reservatório de João Antunes dos Santos chegou a 100%, com uma vazão que saltou de 26 litros por segundo (l/s) para 147 l/s.

A cidade de Itu registrou uma precipitação de 95 mm com isso o nível das barragens de captação saltou de 57% para 98% reservação. As captações estão operando com vazão máxima e o abastecimento está normalizado em todo o município., informou a Prefeitura.

Em Indaiatuba, a chuva foi suficiente para elevar os níveis dos mananciais que abastecem Indaiatuba. Nestes dois dias choveu 75,2 mm, mais do que durante todo o mês de julho de 2015. A elevação do nível da barragem do rio Capivari-Mirim, garante a regularidade de abastecimento de água bruta para este ano, prevista para ser entregue no final deste ano, já vem represando água das chuvas nos últimos meses

Em Santa Bárbara d´Oeste, as três represas que garantem o abastecimento da cidade estão agora operando com plena capacidade, água que irá garantir o fornecimento à população até o final do ano, se o nível de economia continuar se mantendo. A quantidade de chuva que caiu nesses últimos dias, principalmente na região das represas, melhoraram consideravelmente os níveis dos mananciais, chegando a cerca de 95% da capacidade total de reservação, considerando as três represas -- Areia Branca, São Luiz e de Cillo (Pq. das Águas).

Em Nova Odessa, as cinco represas cheias também trazem mais tranquilidade ao abastecimento da cidade, e estão com 74,5% da capacidade total, chegando, segundo a Companhia de Desenvolvimento de Nova Odessa (Conden) a 1,8 mil metros cúbicos (m3)de água bruta. Na segunda-feira, antes da tempestade, estava em 71,15%, com 1,720 mil m³. Ou seja, um acréscimo de 3,4% no volume total. A situação positiva atual se deve ao desassoreamento realizado nas represas no ano passado, aumentando em cerca de 20% a capacidade de armazenamento de água bruta, além da conscientização da população, que reduziu o consumo mesmo após o término do racionamento, adotado entre julho de 2014 e maio deste ano.

Em Vinhedo, as chuvas melhoraram o nível de armazenamento de água das represas. A mais importante, a Represa 1 estava com nível de 3,75 metros na segunda-feira e subiu para 4,10 m após a chuva. Segundo a Prefeitura, se o nível de consumo se mantiver, a água armazenada nas represas conseguirá abastecer a cidade com tranquilidade até o final do ano.

O serviço de água e esgoto de Vinhedo, faz o monitoramento eletrônico do consumo e não descarta a possibilidade de voltar a adotar racionamento, em áreas que estiverem comprometendo o sistema de abastecimento devido ao elevado consumo.

RETRANCA

O volume de água armazenado no Sistema Cantareira subiu ontem pelo segundo dia consecutivo, após 44 dias de estiagem e os reservatórios atingiram 15,6% da capacidade, 0,2 ponto percentual acima de quarta-feira, segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Antes da chuva de terça-feira, a última elevação no sistema havia ocorrido no dia 27 de julho. A alta de ontem foi apenas a quarta verificada durante o inverno, estação mais seca do ano.

Entre as 9h de quarta-feira e as 9h de ontem, o manancial recebeu 0,2 mm de chuva, elevando o acumulado do mês para 65,7 mm, 75,6% do esperado. Até o começo oficial da Primavera, no dia 23 de setembro, mais duas frentes frias e outras áreas de instabilidade vão passar sobre São Paulo trazendo mais chuva para os mananciais, informou a Climatempo. Porém, as reservas do Cantareira ainda não vão atingir o nível e normalidade.

ELEMENTO

Cantareira – 15,6%

Rio Atibaia – 36 m3/s

Escrito por:

Maria Teresa Costa