Publicado 06 de Setembro de 2015 - 8h00

Por Suzamara Santos

Os gêmeos Pieter e Paulus Langerock, da Bélgica, e a brasileira Rosa Francisco: vinho regularmente
e mais de cem anos de idade

Divulgação

Os gêmeos Pieter e Paulus Langerock, da Bélgica, e a brasileira Rosa Francisco: vinho regularmente e mais de cem anos de idade

Os gêmeos Pieter e Paulus Langerock, da Bélgica, e a brasileira Rosa Francisco: vinho regularmente  e mais de cem anos de idade

Há milênios, o vinho é associado à saúde e, dia sim, dia também, surgem estudos, pesquisas e experiências a endossar essa verdade. Mesmo com esse poderoso chamariz, devo confessar que jamais abri uma garrafa pensando nos benefícios para o coração, o colesterol etc. Como sou uma bebedora moderada e seletiva, basta que a bebida melhore o meu humor e me mantenha inteira no dia seguinte para que eu me sirva de duas, três (quatro, às vezes, vá...) taças rotineiramente.

E o que me leva a voltar a esse assunto são as recentes notícias de pessoas centenárias que declaram, convictas, que o segredo da longevidade é comer pouco e beber uma taça de vinho por dia. Como certas evidências dispensam investigação científica para se tornarem críveis, penso que sou uma séria candidata a romper a barreira dos cem – desconsiderando, claro, fatores genéticos, estresse, trânsito e tantos outros acasos.

Mas, voltando aos anciões, em julho, os gêmeos Pieter e Paulus Langerock, da cidade belga de Gante, ganharam as redes sociais no mundo inteiro ostentando seus 102 anos conquistados, justamente, com Bordeaux e moderação à mesa. Os irmãos acrescentam um outro ingrediente, esse controverso, à receita: “Não ir atrás de mulher.” Só pra constar, eles são solteiros e vivem felizes num abrigo em Ter Venne, em Sint-Martens-Latem.

 

Mais perto da gente, em Américo Brasiliense (SP), a dona Rosa Francisca Florentino bateu os 112 anos, 12 filhos biológicos e quatro adotados. Para ela, o segredo da longevidade também era o vinho somado à alegria de viver. A anciã morreu recentemente, no último dia 13 de junho. Como se vê, nem precisa procurar muito para encontrar exemplos da suposta contribuição do vinho para a longevidade.

É abundante também a lista de substâncias benéficas à saúde encontradas no vinho, referendadas pela ciência. Experimente, por exemplo, empreender uma pequena busca na internet pela palavra “resveratrol”. São tantas referências positivas a esse composto presente nos vinhos que o leitor poderá pensar que se trata de um elixir mágico. O resveratrol, inclusive, é comercializado em cápsulas para superdietas. Eu, a exemplo dos irmãos Pieter e Paulus e da dona Rosa, prefiro o consumo tradicional mesmo, na taça. Saúde! 

Escrito por:

Suzamara Santos