Publicado 11 de Setembro de 2015 - 5h30

Em linha com o discurso do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e da presidente Dilma Rousseff, o Banco Central manteve na ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada ontem a premissa de relação de 0,70% para o superávit em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) em 2016 como referência para o superávit primário. A manutenção se dá mesmo após a informação de que o Orçamento da União do ano que vem será deficitário em R$ 30,5 bilhões. Com o Orçamento deficitário, o governo deixou de lado a meta de superávit fiscal estabelecida para o próximo ano e passou a trabalhar com uma previsão de déficit de 0,34%. Isso porque o rombo no Orçamento da União equivale a 0,50% do PIB, enquanto o governo projeta um resultado fiscal positivo de 0,16% do PIB para Estados e municípios. Na ata passada, o BC havia atualizado seus parâmetros depois da mudança da meta fiscal anunciada pelo Ministério da Fazenda.

Para 2015, no lugar de um superávit de R$ 66,3 bilhões, o BC passou a contar com uma relação de 0,15% do PIB, o que permanece agora. Para 2016, a referência passou a ser a de uma economia de 0,70% do PIB ante a premissa de 2% do documento anterior. (Agência Estado)