Publicado 11 de Setembro de 2015 - 5h30

A empresa norte-americana de segurança Brink’s começou a construir nesta semana uma “caixa-forte” de 1.560 metros quadrados no terminal de cargas do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, com previsão de iniciar as operações em fevereiro do próximo ano, para a armazenagem de cargas de alto valor. Será, segundo a concessionária Aeroportos Brasil Viracopos (ABV), a primeira área aeroportuária ultrassegura para cargas da América Latina.

O novo espaço, de acordo com o gestor do terminal, também abre caminho para o transporte por via aérea de ativos financeiros e joias, que hoje é pouco explorado. Um local assim é necessário ainda para atender à demanda de armazenagem cada vez maior de medicamentos, fórmulas químicas e componentes eletrônicos. A Brink’s informou que os investimentos na obra superam os R$ 10 milhões.

A montagem desse supercofre visa aumentar a receita do aeroporto com esse tipo de carga, que já representa a maior parcela da arrecadação do terminal campineiro. Atualmente, 60% da receita do local vem do setor de cargas. As tarifas cobradas levam em consideração o valor da carga, o que significa que, quanto mais cara for, maior a arrecadação.

O gerente de negócios e cargas da ABV, Hélio Dapena, disse que o terminal ultrasseguro abrirá caminho também para serviços que hoje não são possíveis no aeroporto, como é o caso do processo de validação do quilate de uma joia, ou a aplicação de selos em relógios importados — os relógios precisam receber o selo da Casa da Moeda do Brasil antes de serem distribuídos, medida para evitar o contrabando. “São processos que hoje são feitos fora do aeroporto, por empresas especializadas, e que poderão ser abrigados no terminal ultrasseguro”, afirmou.

A estrutura terá paredes mais espessas e controle rígido de acesso ao local. Segundo a empresa, o lugar contará com toda a infraestrutura física e tecnológica de segurança utilizada em operações similares nos mais importantes aeroportos de todo o mundo, incluindo área especial com temperatura controlada para abrigar cargas de produtos farmacêuticos e outras que demandem esse ambiente. “Haverá duas divisões no terminal ultrasseguro para o armazenamento de psicotrópicos”, disse. A Brink’s já montou estrutura parecida no Aeroporto de Heatrow, em Londres, e no Charles de Gaulle, em Paris.

A unidade também disponibilizará uma estrutura para atender serviços de monitoramento na importação, entrega e transporte para o aeroporto com carros e carretas-fortes dedicados à operação em Viracopos.

Para exportação, haverá uma área dedicada exclusiva para cargas que aguardam a paletização pela empresa, operação que será realizada com vigilância até o embarque na aeronave.

O Terminal de Alta Segurança de Viracopos será construído e operado pela Brink’s, que já atua nesse segmento em vários países, garantindo o gerenciamento logístico das cargas de alto valor. Com a implantação da filial Brink’s Viracopos, os órgãos anuentes passarão a ter mais uma área de conferência segregada, completando o ciclo de segurança da carga.

A parceria, segundo a empresa, reforça os atributos em soluções inteligentes de segurança e logística da Brink’s, que é pioneira no desenvolvimento de produtos e serviços para a logística segura de cargas de alto valor, com atuação em mais de 500 aeroportos

O Terminal de Cargas do Aeroporto Internacional de Viracopos é um dos mais importantes e movimentados do Brasil. Além de contar com uma ampla e moderna estrutura para movimentação, armazenamento e liberação de cargas, é responsável por movimentar cerca de 40% de toda carga aérea importada no País. Como reconhecimento pelo aprimoramento da gestão de seus processos e ferramentas, Viracopos foi o primeiro aeroporto do Brasil a receber a certificação de Operador Econômico Autorizado (OEA), programa mundial do Comitê da Organização Mundial das Aduanas (OMA), em 2014.