Publicado 07 de Setembro de 2015 - 5h30

Um público de 15 mil pessoas é esperado para assistir hoje ao desfile de 7 de Setembro, em comemoração à Independência do Brasil. O ato cívico começa às 8h e segue até as 12h no Complexo Viário Joá Penteado, localizado na Avenida Ruy de Almeida Barbosa, na Vila Industrial. A mudança de local foi em razão das obras que acontecem na Avenida Francisco Glicério, onde o evento ocorre tradicionalmente. Os participantes irão assistir a apresentação de 28 entidades, entre elas o Exército, escolas públicas e privadas.

Cerca de 2 mil pessoas participarão do desfile — 914 delas do Exército. Os primeiros a desfilarem serão os militares, seguidos das instituições públicas, como Guarda Municipal (GM), Bombeiros, Defesa Civil, escolas e entidades civis. Abre o desfile um carro com três ex-combatentes da Segunda Guerra Mundial que vivem em Campinas. Os militares levarão 48 viaturas, como veículos blindados, ambulância e caminhões. Alguns deles vieram de Pirassununga. Também desfilam como convidados do Exército a Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), a Academia da Força Aérea, além do segmento feminino do Exército. Na última sexta-feira, os militares realizaram o último treinamento antes do evento.

Alunos da escola Educarte de Campinas também irão desfilar para homenagear o País. “A gente está vivendo num momento de instabilidade política grande e muitas pessoas acabam perdendo o patriotismo. Então, mais do que relembrar a Independência do Brasil, que é uma data muito importante da nossa história, o evento é uma forma de resgatar esse patriotismo das crianças e da sociedade”, afirmou Caio César Reis, representante da Escola Educarte.

Preparativos

Os preparativos no Túnel Joá Penteado começaram ontem, com a colocação de gradis em todo o percurso da avenida onde ocorre o desfile e a instalação de palanque. Os participantes contarão com cerca de 50 banheiros químicos, para homens, mulheres e pessoas com deficiência. De acordo com a Prefeitura, o evento contará com uma tenda para pessoas com deficiência, com rampa de acesso para este local. Também terá uma rampa para o palanque.

A Polícia Militar e a Guarda Municipal montaram um esquema de segurança para garantir a tranquilidade dos participantes.

Trânsito

A circulação de veículos na região do Túnel Joá Penteado precisou ser alterada por causa do desfile. Os bloqueios viários serão realizados a partir das 6h. Ao todo, serão 14 pontos de interdição. Também haverá alteração no transporte público. A linha 5.02 (Circular-Centro) terá mudança de itinerário, no sentido Centro. Segundo a Empresa Municipal de Campinas (Emdec) foi preparada uma operação especial de trânsito e transporte. São cerca de 90 colaboradores, entre agentes da Mobilidade Urbana, técnicos semafóricos e operadores da Central de Controle Operacional (CCO) estão empenhados na ação.

A operação da Emdec começa na madrugada de hoje, com reserva de vagas na Avenida Dr. Abelardo Pompeu de Camargo. A partir das 5h30, viaturas fazem o comboio de veículos e soldados do Exército que participam do evento, a partir da Avenida Papa Pio XII, cruzamento com a Avenida Getúlio Vargas, seguindo pelas Avenidas Alberto Sarmento, Abelardo Pompeu do Amaral até a Prefeito Faria Lima. Os veículos pesados seguem pela Papa Pio XII, Alberto Sarmento, Lix da Cunha até o Joá Penteado.

Violência é tema da 21 edição do Grito dos Excluídos

Será realizada hoje, em Campinas, a 21 edição do Grito dos Excluídos. O ato acontece após o desfile da Independência do Brasil, no Complexo Viário Túnel Joá Penteado, e terá como tema “A vida em primeiro lugar” e como lema “Que país é este, que mata gente, que a mídia mente e nos consome?”. A concentração será a partir das 9h30, na Avenida Nestor Castanheiras, próximo ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

A Arquidiocese de Campinas é uma das realizadoras da iniciativa, mas outras organizações estarão presentes, como o Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU). De acordo com o STU, o lema chama a atenção para a situação de violência que vitimiza sobretudo a juventude das periferias, além de alertar para o poder que os meios de comunicação exercem na sociedade e também aponta para a perspectiva da vida em primeiro lugar. O Grito se define como um conjunto de manifestações realizadas no Dia 7 de Setembro para tentar chamar a atenção da sociedade para as condições de crescente exclusão social no País.

“Não é um movimento nem uma campanha, mas um espaço de participação livre e popular, em que os próprios excluídos, junto com os movimentos e entidades que os defendem, trazem à luz o protesto oculto nos esconderijos da sociedade e, ao mesmo tempo, o anseio por mudanças”, define o STU. (IM/AAN)