Publicado 10 de Setembro de 2015 - 5h30

Em uma noite que nada deu certo, a Ponte Preta fez o mais difícil e conseguiu perder para o Vasco, por 1 a 0, ontem, no Estádio Moisés Lucarelli, pela 24 rodada do Campeonato Brasileiro. O time campineiro não levou nenhum perigo real ao gol do lanterna e teve o atacante Diego Oliveira expulso no início do segundo tempo num lance infantil. E, depois do apito final, a Macaca saiu de campo sob vaias e com o técnico Doriva sendo chamado de burro.

O resultado eleva para seis o número de rodadas sem vitória na competição e deixa o time na 14 colocação na tabela com 28 pontos, três a mais que o 1 do Z4, o Goiás, que joga hoje.

O Vasco, que vinha de seis derrotas, chegou ao seu 10 gol em 24 rodadas e quebrou um jejum que durava desde o dia 19 de julho, quando tinha conquistado a sua última vitória. O gol do jogo foi marcado por Leandrão, que passou pelo Majestoso em 2012 sem grande destaque. Na ocasião, ele fez 13 partidas pela Ponte e marcou apenas três gols.

Em campo, a Macaca teve um primeiro tempo bastante apático. Sem inspiração e confusa na armação, só chegou uma vez com certo perigo na bola parada. Aos 22', Adrianinho bateu escanteio da esquerda. Renato Chaves surgiu entre os zagueiros e cabeceou para Jordi fazer bela defesa.

Em nova tentativa, aos 32', Biro Biro chegou ao ataque. Dividiu e ganhou dos zagueiros na área, mas foi barrado pelo goleiro vascaíno no momento do arremate. E foi só, porque o Vasco não chegou nenhuma vez ao gol defendido por Marcelo Lomba.

O segundo tempo começou da mesma forma, sem grandes emoções dos dois lados. O Vasco teve uma falta quase em cima da linha da grande área, mas Nenê chutou para fora, aos 11'. A jogada começou com erro de Rodinei na intermediária. Dois minutos depois, Diego Oliveira fez falta desleal em Luan e foi expulso. Ele já tinha recebido cartão amarelo no final do primeiro tempo por simulação de um pênalti.

Doriva mexeu no time e a Ponte conseguiu ficar ainda mais frágil. O Vasco melhorou um pouco e passou a atacar. Aos 21', Riascos recebeu passe na entrada da área, dominou com liberdade e arriscou. A bola passou por cima.

O gol vascaíno saiu depois da participação de quatro jogadores trocando passes como queriam na entrada da área da Macaca. Madson lançou, Riascos escorou para Adrezinho, que rolou para Leandrão. O atacante dominou e colocou no canto de Marcelo Lomba: 1 a 0, aos 30'.

A Ponte não se encontrou. E, aos 38', Leandrão desperdiçou a chance de ampliar. No cruzamento de Nenê, que veio da esquerda, ele ganhou a dividida com Renato Chaves e cabeceou para fora. Aos 47', Riasco ainda mandou uma bola na trave da Ponte.

PONTE PRETA

Marcelo Lomba; Rodinei, Renato Chaves, Ferron e Gilson; Josimar, Elton (Juninho, 20'/2), Fernando Bob e Adrianinho (Keno, 15'/2); Biro Biro (Cesinha, 27'/2) e Diego Oliveira. Técnico: Doriva.

Torcida se exalta e PM usa bombas de efeito moral

A derrota da Ponte para o lanterna Vasco mexeu com a paciência do torcedor. Tanto que na saída do Majestoso houve protesto que quase terminou em confusão generalizada. A Polícia Militar precisou intervir e chegou a utilizar bombas de efeito moral para controlar os mais exaltados.

Enquanto isso, na sala de imprensa, o técnico Doriva buscava explicações para justificar uma das piores atuações da Macaca na temporada. Em sua avaliação, o time não foi bem no primeiro tempo, teve uma leve melhora no início do segundo, mas acabou prejudicado pela expulsão do atacante Diego Oliveira num lance infantil no meio do campo. "A gente realmente não conseguiu criar e não conseguiu jogar no primeiro tempo. No segundo, começamos bem. Mas realmente não fizemos uma boa partida", admitiu.

Na opinião do treinador, o árbitro gaúcho Diego Almeida Real usou critérios diferentes em lances capitais. "Novamente fomos prejudicados. O lance da expulsão do Diego foi normal. Depois, aconteceu o mesmo com o Herrera (que se jogou na área) e o juiz não deu nada. Usou critério diferente. Poderia ter mostrado o vermelho também" , avaliou. Para Doriva, as substituições não deram resultado. "A gente não tem bola de cristal para saber. Se tivesse, colocaria o jogador que poderia decidir. Mas não tenho dúvida que minhas decisões foram as mais centradas e pensadas para o melhor da equipe."

Doriva acrescentou que a derrota para o Vasco não estava nos planos. "É hora de bastante conversa e mobilização." (PS/AAN)

52

Foi o tempo que o Vasco ficou sem conquistar uma vitória, jejum

que se encerrou ontem