Publicado 06 de Setembro de 2015 - 5h30

Ele foi o melhor em todas as sessões de treinos livres e em todas as três partes da classificação. E ainda esnobou: "Essa volta não foi tão boa quanto minha pole de Spa-Francorchamps". Lewis Hamilton se tornou o primeiro piloto a fazer 11 poles em uma mesma temporada desde Alain Prost em 1993 e vai largar na frente no GP da Itália, a partir das 9h.

Porém, o líder do campeonato é o primeiro a admitir que a fatura ainda não está liquidada. Afinal, as Ferraris, que largam em segundo com Kimi Raikkonen e em terceiro com Sebastian Vettel, têm largado melhor que sua Mercedes nas últimas provas. "É bem longe da largada até a curva 1 e as Ferraris saem bem, então, vamos tentar fazer o nosso melhor. Nosso ritmo de corrida tem sido muito forte neste final de semana, espero que possamos repetir isso."

Na Ferrari, o clima era de surpresa pelo desempenho. E quem se deu melhor na briga interna do time de Maranello dessa vez foi Kimi Raikkonen, que larga em segundo. É a melhor posição do finlandês em classificações desde o GP de Mônaco de 2009. "Acho que provavelmente nos surpreendemos um pouco. Já fazia um tempo que não largava tão bem, é bom estar de volta."

Em sua primeira experiência como piloto da Ferrari em Monza, Vettel se mostrou impressionado com a reação das pessoas. "Ver os tifosi acenando e pulando para cima e para baixo é incrível. Nunca experimentei nada semelhante. Tomara que nós dois possamos subir ao pódio na corrida. Seria um sonho. É nossa corrida caseira e sonhar é permitido, mas temos de reconhecer que a Mercedes é muito rápida", ponderou.

Rosberg teve problemas com a nova especificação do motor Mercedes e utilizou a unidade de potência antiga. "Tivemos de voltar a usar um motor que já tinha seis corridas, o que não é o ideal porque você perde potência a cada quilômetro, especialmente em Monza, que é uma pista de motor", reconheceu.

Assim, o alemão teve de se contentar com o quarto lugar no grid. "É muito desapontador que tenha acontecido bem aqui, porque é algo que compromete muito o rendimento e dificulta minha corrida", afirmou o vice-líder do campeonato, a 28 pontos de Hamilton.

A explicação, contudo, não chegou a convencer o chefe da Mercedes, Niki Lauda. "Nico tinha menos potência, mas também teve problemas de equilíbrio — o carro estava saindo de frente, ele reclamou. Ele não conseguiu encontrar o melhor equilíbrio para seu estilo de pilotagem e isso fez uma grande diferença", revelou o tricampeão mundial das décadas de 1970 e 1980. (Da Agência Total Race)

Massa larga em quinto e tem expectativa de pódio

Felipe Massa se mostrou contente com a quinta colocação conquistada na classificação para o GP da Itália e, ainda que destaque a força demonstrada pela Ferrari, que fez o segundo e terceiro lugares no grid, acredita que a Williams tem ritmo para lutar pelo pódio.

"A Ferrari talvez tenha sido um pouco rápida demais, e mesmo com uma volta perfeita, teria sido difícil chegar neles", afirmou.

Massa acredita que a Williams tem condições de lutar com Nico Rosberg devido à deficiência no motor do alemão. "A potência é importante neste circuito, então talvez não possamos lutar com Nico Rosberg mas a corrida é longa. Tenho um pódio em vista", disse o brasileiro, que foi terceiro na corrida do ano passado em Monza, no que foi seu primeiro pódio pela Williams.

Em 11 no grid após lucrar com a punição de seu próprio companheiro, Felipe Nasr não se mostrou contente com a falta de velocidade em relação à outra Sauber. "A única coisa que temos que investigar é que estou com velocidade abaixo se comparado ao outro carro e isso está custando tempo para mim", lamentou o piloto, que reconheceu um erro em sua volta rápida. “Vinha forçando desde o Q1 e mesmo no Q2, na primeira tentativa, eu vinha numa boa volta, melhorando um pouco.” (TR)