Publicado 06 de Setembro de 2015 - 5h30

Quem será capaz de parar o líder Corinthians? O Palmeiras é o candidato da vez, até porque uma vitória hoje, às 16h, no Allianz Parque, pela 23 rodada do Campeonato Brasileiro, é fundamental para que a equipe ainda mantenha alguma esperança de título. O Corinthians é o time a ser batido. A equipe não perde há 14 rodadas, deixou os principais adversários para trás e disparou na liderança. A última derrota no Nacional foi há mais de dois meses, no dia 20 de junho, quando perdeu por 1 a 0 do Santos, na Vila Belmiro.

Os clássicos, inclusive, têm sido o calcanhar de Aquiles do time do técnico Tite na temporada. A equipe não vence seus rivais no Estado há oito partidas, desde março, quando bateu o São Paulo, no Morumbi, ainda pela fase de classificação do Campeonato Paulista.

Já o Palmeiras tem se dado bem nos últimos clássicos, principalmente contra o Corinthians. Em abril, nos pênaltis, eliminou o arquirrival nas semifinais do Estadual em pleno estádio Itaquerão. No mês seguinte, de novo na casa do adversário, venceu por 2 a 0, já pelo Brasileirão.

É neste retrospecto e na força da sua torcida que o Palmeiras confia para acabar com a série invicta do adversário e continuar sonhando a possibilidade de ser campeão. Hoje, o Corinthians está 15 pontos à frente (49 a 34). Se a diferença subir para 18, ficaria praticamente impossível de ser descontada em 15 rodadas.

Há outro fator que contribui para motivar os palmeirenses hoje. O time busca a primeira vitória sobre o maior rival na sua nova arena. No único confronto entre os dois no Allianz Parque, o Corinthians venceu por 1 a 0, no Paulistão.

O treinador deu apenas algumas pistas sobre a escalação. Fez muitos elogios a Gabriel Jesus, o único previamente escalado. Marcelo Oliveira não confirmou o lateral-esquerdo Egídio, que está em má fase e foi substituído nos últimos jogos. Zé Roberto pode entrar na posição. No meio, permanece a dúvida sobre a escalação de Arouca, fora dos últimos quatro jogos por causa de uma lesão, ou Thiago Santos, volante que foi relativamente bem contra o Goiás.

Do lado do Corinthians, Tite terá a volta de Renato Augusto, que não enfrentou o Fluminense por causa de uma virose. Na defesa, o zagueiro Felipe retorna de suspensão no lugar de Edu Dracena. Com um edema na coxa, o lateral-esquerdo Uendel continua fora. Assim, o garoto Guilherme Arana está mantido na equipe. Mesmo com tantas mudanças, Tite tem conseguido manter o bom padrão de jogo. (Da Agência Estado)

PALMEIRAS

Fernando Prass; Lucas, Victor Ramos, Vitor Hugo e Zé Roberto; Thiago Santos, Arouca, Robinho e Dudu; Gabriel Jesus e Lucas Barrios. Técnico: Marcelo Oliveira.

Gabriel Jesus e Malcom duelam pela primeira vez

O palmeirense Gabriel Jesus e o corintiano Malcom têm trajetórias parecidas. Ambos nasceram em 1997, são atacantes e frequentaram juntos as seleções de base. Hoje, se enfrentarão pela primeira vez como atletas profissionais no clássico. O confronto entre os dois garotos ocorre com mais de três meses de atraso porque quando Corinthians e Palmeiras se enfrentaram no primeiro turno, ambos estavam com a Seleção Brasileira no Mundial Sub-20. Tido antes como apenas uma promessa, Gabriel Jesus já virou realidade. Com 18 jogos pelo Palmeiras, marcou cinco gols, sendo quatro nas partidas contra Cruzeiro e Joinville. A diretoria palmeirense faz o possível para blindá-lo, mas a torcida já inventou uma música especial para o atacante. Ela foi entoada pela primeira vez na vitória sobre o Joinville e deverá ser repetida se o atacante mantiver as boas atuações. "É uma emoção muito grande jogar um clássico, mas o mais importante é conseguir a vitória", disse.

Malcom foi promovido ao profissional do Corinthians por Mano Menezes em 2014 após se destacar da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Em pouco tempo, virou titular. Em janeiro deste ano, como estava com a seleção sub-20 no Sul-Americano, perdeu a pré-temporada e a vaga para Emerson. Só recuperou o seu lugar no time depois que Emerson e Guerrero foram para o Flamengo. Com Tite, o atacante passou a jogar mais próximo da área. (AE)